DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Grupo de evangélicos faz oração para Bolsonaro na entrada da Granja do Torto

Cerca de 50 pessoas vestidas de verde amarelo organizaram 'culto' com gritos de 'Brasil acima de tudo, Deus acima de todos'

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2018 | 13h11

BRASÍLIA - O pastor Wilbert Batista costumava andar de bicicleta perto da ex-presidente Dilma Rousseff, em Brasília, e dizia que orava por ela. Conseguiu a confiança dos seguranças para se aproximar algumas vezes, embora deixasse claro que não votou na ex-presidente. "Existe um trecho na bíblia que diz que a gente tem que orar pelas autoridades. Sempre fazemos isso", justifica Batista, que acompanhou todas as posses presidenciais desde a época de Fernando Collor

Hoje, pela manhã, Batista organizou uma espécie de culto evangélico em frente à Granja do Torto para o presidente eleito, Jair Bolsonaro, com cerca de 50 pessoas. Elas estavam vestidas de verde e amarelo e enroladas em bandeiras nacionais. Entre as canções e orações entoadas, o grupo se ajoelhou no chão de asfalto, sob o sol quente, e gritou repetidas vezes o slogan de Bolsonaro: "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos". 

O grupo faz parte da igreja evangélica Núcleo da Fé. Durante o culto, o pastor lembrou que a mulher de Bolsonaro, Michelle, também é evangélica. Mas celebrou o fato de Bolsonaro ser católico e disse que ele deve ser o presidente de todos, inclusive dos ateus. Batista pregou a unificação do país, defendeu a preservação da família e rezou pela segurança de Bolsonaro, que sofreu um atentado durante a campanha presidencial.

No gramado, a alguns metros de distância, a música "I say a little prayer", da cantora americana Aretha Franklin, ecoava de um dos carros que estão estacionados próximo a entrada da Granja. Entre eles está um carro modelo Fiat 147, que rodou 2 mil quilômetros de Paramoti (CE) até Brasília para a posse presidencial, na próxima terça-feira (1º).

O agente penitenciário Gerson Alves da Costa conta que o grupo que viajou no Fiat, chamado de "Comitiva 147", viajou por dois dias de carro para chegar a capital federal. O intuito é tentar convencer o presidente eleito a recebê-los. "Até agora Bolsonaro não nos decepcionou. Tomara que ele ponha o Brasil nos eixos e que os benefícios não sejam individuais. Sei que dá trabalho e que não é da noite para o dia, mas, se der certo, quem ganha é o povo", disse.

Já o empresário Dionísio Magnus veio de Porto Alegre com o filho num motorhome. A viagem também durou dois dias. "Conhecemos Bolsonaro em 2016, quando ele foi dar uma palestra na TranspoSul (feira de transporte e logística) e desde então não soltamos mais esse projeto. Precisávamos de uma mudança", afirmou Dionísio. 

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI) espera a presença de 250 mil a 500 mil pessoas para a posse de Jair Bolsonaro. Conforme mostrou a Coluna do Estado, a posse presidencial dobrou a taxa de ocupação de hotéis em Brasília para a virada do ano, segundo estimativas do setor. A ocupação média está em 67%, com expectativa de alcançar 75%. Os hotéis de luxo são os mais procurados até agora.

Mais conteúdo sobre:
Jair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.