Werther Santana/Estadão - 20/1/2020
Werther Santana/Estadão - 20/1/2020

Flávio Dino anuncia saída do PCdoB e prepara filiação ao PSB

Governador do Maranhão é cotado para compor chapa como vice em eventual candidatura de Lula em 2022

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2021 | 16h50

O governador do Maranhão, Flávio Dino, anunciou nesta quinta-feira, 17, sua desfiliação do PCdoB. Em  breve, ele deve anunciar sua ida para o PSB, apurou o Estadão. Em uma mensagem publicada no Twitter, ele defendeu que uma grande “frente de esperança” será decisiva para um “novo ciclo de conquistas sociais” para o Brasil. A mudança ocorre no momento em que o PCdoB está, na prática, ameaçado de extinção devido à cláusula de barreira. 

Nas eleições de 2018, os partidos tiveram que atingir 1,5% dos votos válidos para deputado federal para ter acesso ao Fundo Partidário, tempo de TV e prerrogativas de bancada no Congresso Nacional. Em 2022, esse piso pulará para 2% – o que equivale a eleger 11 deputados. O piso aumenta de forma progressiva até chegar a 3% na eleição de 2030. 

O governador maranhense não quis esperar a votação do projeto de lei que cria o modelo de federações partidárias e tramita em regime de urgência na Câmara. O modelo é visto como uma tábua de salvação para os partidos pequenos e abre caminho para as fusões partidárias. 

Em seu segundo mandato à frente do executivo maranhense, Dino é um dos nomes cotados para ser candidato a vice em uma eventual chapa encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Palácio do Planalto. Por ora, porém, o projeto do governador é ser candidato ao Senado. Um dos cenários em debate por dirigentes do PCdoB e PSB é a formação de uma Federação entre os dois partidos, caso o projeto seja aprovado, ou uma fusão, se for rejeitado. 

O PSB recebeu recentemente o deputado Marcelo Freixo, que deixou o PSOL e deve ser candidato ao governo do Rio de Janeiro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.