JF DIORIO / ESTADÃO
JF DIORIO / ESTADÃO

FHC critica pedidos de expulsão de Aécio

Ex-presidente fala em ‘oportunismo’ e afirma que partido tem um código de ética; ala ligada a Doria defende saída de deputado do PSDB

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S. Paulo

11 de julho de 2019 | 22h45

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso reagiu nesta quinta-feira, 11, à pressão feita por lideranças do PSDB ligadas ao governador de São Paulo, João Doria, pela expulsão do partido do deputado Aécio Neves (MG), após a abertura de ação penal contra ele na Justiça Federal em São Paulo, no início do mês. Em mensagem publicada no Twitter, FHC disse que o PSDB tem estatuto e código de ética a serem seguidos, e afirmou que “jogar filiados às feras”, sem aguardar uma decisão judicial, é “oportunismo sem grandeza”. 

“O PSDB tem um estatuto e uma comissão de ética. Há que respeitá-los. Jogar filiados às feras, principalmente quem dele foi presidente, sem esperar decisão da Justiça, é oportunismo sem grandeza. Não redime erros cometidos nem devolve confiança”, escreveu o ex-presidente. A manifestação de FHC ocorre um dia após o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, engrossar o coro pela expulsão de Aécio. A jornalistas, Covas chegou a afirmar, anteontem, que era “ou ele ou eu” no partido. 

É dos diretórios municipais das duas maiores cidades paulistas – São Paulo e São Bernardo do Campo – que parte a pressão mais forte pelo desligamento de Aécio – ambos já aprovaram pedidos de expulsão. A preocupação é que o desgaste da imagem do deputado respingue na campanha do ano que vem.

Em nota, o PSDB paulistano rebateu ontem as afirmações de FHC. O texto, assinado pelo presidente, Fernando Alfredo, afirma que o diretório respeita a trajetória de Fernando Henrique, presidente de honra do partido, mas discorda de sua posição. Segundo o comunicado, a trajetória de Aécio “não condiz com o que FHC tem de legado”. “É inadmissível que pessoas como Aécio Neves permaneçam nos quadros partidários.” O texto afirma que o pedido de expulsão “se deveu pelo fato de não compactuarmos com a postura e o histórico de Aécio, que conspurcam a imagem do partido”.

Além do PSDB paulistano, o diretório tucano de São Bernardo do Campo também formalizou pedido de expulsão de Aécio da legenda. A decisão, de anteontem, foi acatada por unanimidade. A ação foi comandada pelo prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, integrante da executiva nacional do PSDB, e a deputada estadual Carla Morando, líder do partido na Assembleia paulista.

Segundo Morando, a iniciativa do partido por enquanto se concentra em Aécio, e não em outros tucanos alvo da Justiça, como o ex-governador do Paraná Beto Richa e o ex-presidente da legenda Eduardo Azeredo – que chegaram a ser presos – porque o deputado mineiro é mais conhecido pelo fato de ter sido candidato à Presidência em 2014. “Aécio causou os maiores danos à imagem do partido”, disse. 

Réu. Aécio foi denunciado em 2017 pela Procuradoria-Geral da República, sob acusação de receber propina de R$ 2 milhões, do grupo J&F, e de tentativa de obstrução da investigação da Lava Jato. E virou réu por decisão do Supremo Tribunal Federal em abril de 2018. 

Após a eleição, por não ser mais senador, o caso foi enviado à primeira instância. A denúncia então foi ratificada pelo Ministério Público Federal em São Paulo. No dia 2 de julho, a denúncia foi recebida pelo juiz João Batista Gonçalves, da 6.ª Vara Criminal Federal. 

Dois dias depois, o diretório paulistano aprovou um pedido de expulsão. Na terça-feira passada, Doria afirmou ao Estado defender uma “saída espontânea” do deputado, para evitar a necessidade de expulsão. Abordado na Câmara para comentar o assunto, Aécio disse que “não tem nada a falar”. Procurada, a assessoria afirmou que o deputado não iria se pronunciar. / COLABOROU FELIPE FRAZÃO



 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.