Tiago Queiroz / Estadão
Tiago Queiroz / Estadão

Exames de Covas mostram tumor no trato digestivo; prefeito será submetido a cirurgia

Exames também diagnosticaram tromboembolismo pulmonar, ou seja, de bloqueio de artéria no pulmão

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2019 | 20h00
Atualizado 11 de novembro de 2019 | 16h25

Exames médicos realizados pelo prefeito de São Paulo, Bruno Covas, apontaram neste sábado, 26, o surgimento de tumor no trato digestivo do tucano, de acordo com boletim médico publicado na noite deste domingo pelo Hospital Sírio-Libanês. Outros exames também diagnosticaram tromboembolismo pulmonar, ou seja, bloqueio de artéria no pulmão.

Por conta do tumor, o prefeito esta sendo submetido esta noite a uma laparoscopia, técnica de cirurgia menos invasiva, com a finalidade de aprofundar o diagnóstico. De acordo com o hospital, os próximos resultados vão demorar alguns dias.

“Ele faz uma endoscopia e uma laparoscopia para diagnóstico. É justamente para poder precisar os locais e o tipo (de tumor)”, explicou David Uip, um dos médicos que coordena o tratamento, ao Estado.

Na sexta, 25, Covas havia sido diagnosticado com trombose venosa das veias fibulares (de membro inferior). Ele está internado desde quarta-feira, 23, para tratar de uma erisipela, uma doença infecciosa da pele. 

Covas recebeu o diagnóstico de trombose após realizar exames complementares, ainda durante a avaliação médica acerca da erisipela. Exames subsequentes diagnosticaram tromboembolismo pulmonar. Por isso, foi realizado um pet scan, que revelou o tumor.

De acordo com Uip, as primeiras duas doenças diagnosticadas – erisipela e trombose venosa – já involuiram e não apresentam mais sintomas. “Nada no quadro do prefeito é comum”, explicou Uip. “Ele está com o peso ideal, comendo normal, fazendo academia cinco vezes por semana, sem nenhum sintoma. Os quadros foram encontrados por meio de exames”, acrescentou.

O prefeito já havia sido atendido no pronto-atendimento do Hospital Albert Einstein na tarde de sábado passado. O motivo era também infecção de pele em um “membro inferior”, segundo nota divulgada pela Prefeitura. A erisipela costuma atingir as pernas com maior frequência.

Na ocasião, Covas havia recebido alta na mesma tarde, após ser submetido a exames e ter antibióticos prescritos para o tratamento. O prefeito havia cancelado sua agenda durante o fim de semana passado para ficar em repouso. Segundo Uip, o diagnóstico e o tratamento feito no Einstein foi “corretíssimo”.

No Sírio-Libanês, Covas também está sendo acompanhado pelas equipes médicas de Roberto Kalil Filho, Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, Artur Katz e Raul Cutait. David Uip foi secretário estadual de Saúde durante a gestão do ex-governador tucano Geraldo Alckmin.

O prefeito – que era vice e herdou o cargo com a renúncia do hoje governador João Doria (PSDB) – está entre os principais cotados para disputar a prefeitura de São Paulo. Sua eventual candidatura à reeleição já conta com o apoio de Doria.

No Twitter, o governador publicou um post em que deseja recuperação a Covas, a quem chama de "amigo e parceiro de ideais e princípios".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.