Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Ex-comandante do Exército, Villas Bôas chama Olavo de 'Trótski de direita'

Olavo tem feito duras críticas ao general Santos Cruz, da Secretaria de Governo, que citou a necessidade de se aprimorar a legislação que trata das redes sociais

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2019 | 12h53

O ex-comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, reagiu às críticas do escritor Olavo de Carvalho, guru bolsonarista, contra os militares do governo de Jair Bolsonaro. Em nota publicada em suas redes sociais, o general chama Olavo de "Trótski de direita", em referência ao revolucinário bolchevique, figura central da guerra civil russa. 

"Mais uma vez o sr. Olavo de Carvalho a partir de seu vazio existencial derrama seus ataques aos militares e as Forças Armadas demonstrando total falta de princípios básicos de educação, de respeio e de mínimo de humildade e modéstia", escreve Villas Bôas. 

"Verdadeiro Trótski de direita, não compreende que substituindo uma ideologia pela outra não contribui para a elaboração de uma base de pensamento que promova soluções concretas para os problemas brasileiros", diz Villas Bôas.

Olavo tem feito duras críticas ao general Santos Cruz, da Secretaria de Governo, que em entrevista ao Estado citou a necessidade de se aprimorar a legislação que trata das redes sociais. "(O uso das redes sociais) Tem de ser disciplinado, até a legislação tem de ser aprimorada, e as pessoas de bom senso têm de atuar mais para chamar as pessoas à consciência de que a gente precisa dialogar mais, e não brigar”, disse na ocasião.

 

Em postagem no sábado, 4, Olavo comparou o ministro a Ciro Gomes (PDT), candidato derrotado à Presidência, e disse que Santos Cruz "fofoca e difama pelas costas". O ministro retrucou e, em entrevista, chamou Olavo de "um desocupado esquizofrênico".

No Twitter, Olavo fez uma sequência de comentários sobre Santos Cruz. "O Santos Cruz quer que a segurança pública esteja às ordens de organizações notoriamente esquerdistas", escreveu no domingo. "O Santos Cruz não é capaz de imaginar o que seja um escritor. Só conhece politiqueiros e fofoqueiros de merda como ele mesmo", nesta segunda.

Ainda nesta segunda, negou que queira "tirar" Santos Cruz do cargo. "Não sou um agente político, sou um escritor e professor. Não quero tirar o Santos Cruz da porra de ministério que ele ocupa. Quero apenas despertar sua inteligência e seu senso moral para que ele corrija o imenso mal que está fazendo. Fique com o cargo, mas tome jeito.".

Para Villas Bôas, Olavo "age no sentido de acentuar as divergências nacionais no momento em que a sociedade brasileiras necessita recuperar a coesão e estruturar um projeto para o País. A escolha dos militares como alvo é compreensível por sua impotência diante da solidez dessas instituições e a incapacidade de compreender os valores e princípios que as sustentam."

Bolsonaro tem boa relação com Villas Bôas. Após deixar o comando do Exército, virou consultor do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, órgão comandado pelo general Augusto Heleno. Em janeiro, o presidente recém-empossado disse que Villas Bôas era "um dos responsáveis" por sua eleição. Villas Bôas diz que Bolsonaro resgatou Brasil de 'amarra ideológica'.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.