Felipe Rau / Estadão
Felipe Rau / Estadão

Estamos fazendo o que deveria ser feito pelo líder do País, diz Doria

Governadores de SP e do Rio reagem a críticas de Bolsonaro a medidas adotadas pelos Estados durante a pandemia de coronavírus

Caio Sartori, Gregory Prudenciano, Pedro Caramuru e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2020 | 13h30
Atualizado 20 de março de 2020 | 15h05

Os governadores de São Paulo, João Doria (PSD), e do Rio, Wilson Witzel (PSC), reagiram às críticas do presidente Jair Bolsonaro às medidas dos Estados durante a pandemia de coronavírus.  "Estamos fazendo o que deveria ser feito pelo líder do País, o que o presidente Jair Bolsonaro, lamentavelmente, não faz, e quando faz, faz errado", disse Doria durante entrevista coletiva nesta sexta-feira, 20.

Witzel, por sua vez, afirmou que não há diálogo com o governo federal. "Estamos regulamentando aquilo que nós entendemos que é fundamental para salvar vidas, e o governo federal precisa fazer sua parte. Nós não temos diálogo com o governo federal. Não sou só eu: os governadores que querem falar com o governo federal precisam mandar uma carta”, reclamou, em tom de voz elevado, em entrevista ao vivo para o RJTV, da Rede Globo. 

Mais tarde, foi ao Twitter protestar. "Pelo amor de Deus, o governo federal precisa entender que não é hora de fazer política", escreveu Witzel. "É hora de trabalhar e ajudar os empresários que vão quebrar, as pessoas que vão perder o emprego e os que vão morrer de fome. Os governadores estão trabalhando a mil por hora. Os estados não têm condições de resolver o problema dos empresários que vão quebrar, das pessoas que vão passar necessidade. É hora de agir."

Mais cedo, Bolsonaro disse ser contrário a algumas medidas aplicadas por governadores para conter a disseminação do novo coronavírus. "Tem certos governadores que estão tomando medidas extremas que não competem a eles, como fechar aeroportos, rodovias, shoppings e feiras", afirmou.

Witzel, contudo, minimizou o aspecto técnico da competência e ressaltou que é preciso adotar iniciativas urgentes contra a crise. “Evidentemente que eu não tenho atribuição para fechar porto, aeroporto. Como disse no decreto, depende das agências reguladoras. Se elas vão fazer o papel delas, isso são elas que vão dizer se vão se omitir”, apontou. 

O governador do Rio disse que está seguindo as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), “aquilo que entendemos que é fundamental para salvar vidas”. Enquanto isso, segundo ele, o governo federal se preocupa apenas com questões políticas. “O governo federal precisa entender isso, que é ‘para ontem’ (a adoção de medidas). Enquanto estamos tomando medida, estamos na rua ouvindo pessoas, o governo federal fica fazendo política.”

China

Doria disse que o Estado está "em guerra contra o vírus" e que o enfrentamento à doença deve ser feito com união. "Não há como fazer isso usando de mecanismos ideológicos, sectários, separados", declarou. 

Sem citar nomes,  Doria voltou a se referir às declarações do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que responsabilizou a China pela pandemia do novo coronavírus. "Gostaria de deixar aqui um gesto de solidariedade à China e ao povo chinês. O país se mobilizou para proteger seu povo e somos absolutamente solidários. Não é justo que ninguém, quem quer que seja, possa fazer qualquer tipo de acusação contra a China ou contra o povo chinês", disse Doria.

Distrito Federal

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, quer evitar o confronto direto com o presidente Bolsonaro. Ibaneis afirma que os dois lados têm direito de pensar diferente e que não é momento de politizar a discussão sobre o combate ao novo coronavírus.

"É a visão dele (Bolsonaro). Ele, como nós, temos o direito de pensar diferente. Eu pessoalmente estou tratando do assunto sem politizar, até porque política não deve se misturar com problemas de saúde graves como esse", disse Ibaneis ao Broadcast/Estadão.

O governador, no entanto, defendeu as medidas restritivas adotadas no DF e em outros estados, que envolvem o fechamento do comércio e a suspensão de aulas. "O que está em risco e a saúde da coletividade e os exemplos mundiais infelizmente demonstraram que qualquer lapso de ação pode levar ao desastre", afirmou Ibaneis.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.