Dida Sampaio/ Estadão
Dida Sampaio/ Estadão

Esplanada se prepara para receber cerca de 20 mil pessoas em manifestações desta quarta

Polícia Militar vai interromper trânsito e grupos manifestantes serão separados por uma grade na zona central do Plano Piloto

André Borges, O Estado de S.Paulo

03 Abril 2018 | 16h08

BRASÍLIA – A Esplanada dos Ministérios terá seu trânsito alterado nesta quarta-feira, 4, devido a manifestações marcadas para acompanhar o julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A previsão do governo do Distrito Federal é que dois grupos devem ocupar a área. Os organizadores informaram que são esperados cerca 10 mil manifestantes de cada movimento.

+++ ‘As pessoas não estão percebendo que não é só o caso Lula', diz Dallagnol

O bloqueio será feito a partir da Catedral de Brasília até a Alameda das Bandeiras, em frente ao Congresso Nacional. Ficou acordado com os organizadores que o limite de acesso dos manifestantes será a Alameda das Bandeiras e que itens como balões e bonecos infláveis não poderão entrar na área da Esplanada.

A partir da meia-noite desta terça-feira, 3, o Batalhão de Policiamento de Trânsito da Polícia Militar vai interditar o fluxo de veículos na zona central do Plano Piloto. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP) do DF, a “divisão de lados dos grupos” será feita por meio de um corredor de policiamento ostensivo e uma grade de 1,20 metro de altura. 

+++ Líderes a favor e contra prisão de Lula elogiam pronunciamento de Carmen Lúcia

“Os que são contra a concessão do habeas corpus deverão ficar à direita da Esplanada, com concentração no Museu Nacional. Os que são favoráveis à decisão ficarão à esquerda, com o Teatro Nacional como ponto de apoio”, informou a SSP. 

Um grupo de ruralistas tem manifestação marcada para esta quarta, com previsão de se concentrarem no estacionamento do ginásio Nilson Nelson, ao lado do estádio Mané Garrincha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.