Leonardo Benessatto/Reuters
Leonardo Benessatto/Reuters

Em vídeo, Bolsonaro apoia greve de caminhoneiros contra alta do diesel

'Os caminhoneiros buscam soluções para esses problemas, que interessam aos 200 milhões de brasileiros', diz pré-candidato

O Estado de S.Paulo

21 Maio 2018 | 15h36

O deputado Jair Bolsonaro, pré-candidato à presidência pelo PSL nas eleições 2018, defendeu a greve de caminhoneiros que protestam contra a alta no preço dos combustíveis em um vídeo publicado em suas redes sociais na noite do domingo, 20. 

++ Bolsonaro em mutação

++ Ciro fala em 'porta aberta' com o PSDB para depois de eleição

“Os caminhoneiros buscam soluções para esses problemas, que interessam aos 200 milhões de brasileiros. Não têm encontrado eco no Legislativo. Sobrou-lhes o Executivo, que teima a se omitir. Somente a paralisação prevista a partir de 2ª feira poderá forçar o presidente da República a dar uma solução para o caso”, disse Bolsonaro.                                        

++ Jair Bolsonaro é vaiado duas vezes em sabatina de municípios

Assista abaixo o vídeo de Bolsonaro na íntegra:

Rodovias em 18 Estados do país forama atingidas pelos bloqueios de hoje. Segundo a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que reúne 700 mil caminhoneiros autônomos, nesta manhã já foram contabilizadas 28 manifestações em 11 Estados, com maior incidência na Bahia, com cinco, e em Minas Gerais, com sete.

++ Bolsonaro sobre MST e MTST: 'Invadiu, é chumbo'

Petrobrás anunciou que, com o reajuste que entrará em vigor nesta terça-feira, o preço médio do litro da gasolina nas refinarias será de R$ 2,0867, com alta de 0,90% em relação à média atual de R$ 2,0680. O valor médio nacional do litro do diesel subiu para R$ 2,3716, 0,97% maior do que a medida atual de R$ 2,3488.

++ Bolsonaro diz que tem evoluído no posicionamento econômico

Mais cedo, em evento na Associação Comercial do Rio de Janeiro, Bolsonaro voltou a fazer um discurso forte voltado à segurança pública e criticou grupos como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). Jair Bolsonaro também defendeu a reforma trabalhista e disse que é melhor ter menos direitos trabalhistas e continuar empregado que manter os direitos porém sofrer com o desemprego.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.