Isaac Amorim/MJSP
Isaac Amorim/MJSP

Em Davos, Moro dirá que corrupção afeta lucro das empresas, e não apenas governos

Ministro participará de painéis sobre o Brasil, integridade e criminalidade a nível global

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

20 Janeiro 2019 | 19h23

BRASÍLIA - Acompanhando a comitiva do presidente Jair Bolsonaro em Davos, no Fórum Econômico Mundial, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, preparou um discurso para dizer que a corrupção prejudica não só políticas governamentais, mas também o lucro das empresas. A agenda de Moro no evento prevê a participação em uma série de painéis que tratarão de temas como transparência, combate à corrupção e planos contra a disseminação de crimes financeiros pelo mundo.

Nas mensagens que Moro levará aos participantes do fórum, a linha geral de suas intervenções é afirmar que, se as empresas fizerem negócios limpos, a prática será boa para seus lucros. "A corrupção mina não só a confiança nos governos, mas também no mercado", diz o discurso preparado pelo ministro. O ex-juiz da Operação Lava Jato em Curitiba pretende afirmar ainda que a corrupção "mina a globalização e a torna injusta".

Na terça-feira, 22, Moro será um dos palestrantes de um painel com o tema "restaurando a confiança e a integridade". Ele divirá o palco com a presidente da entidade Transparência Internacional, Delia Ferreira Rubio, e com o especialista suíço Mark Pieth, um dos juristas que promoveu o plano de reformas na Fifa após escândalos de corrupção na entidade. 

No dia seguinte, o ministro irá falar sobre "o futuro do Brasil". Já no dia 24, Moro será um dos oradores do painel "crime globalizado", sobre atividades financeiras ilícitas. Ao lado dele, estarão o secretário-geral da Interpol, Jurgen Stock, a diretora executiva do Instituto Igarapé e fundadora do movimento Agora!, Ilona Szabó de Carvalho, e a diretora do Royal United Services Institute, um institudo britânico voltado a pesquisa em defesa e segurança, Karin Von Hippel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.