Adriano Machado/ Reuters
Adriano Machado/ Reuters

Em áudio vazado, Bolsonaro pede assinatura para trocar líder na Câmara; ouça

Nesta quinta, presidente sugeriu ter sido grampeado e chamou de 'desonestidade' a divulgação de conversas que mostram tentativa de emplacar o filho no lugar de Delegado Waldir

Renato Onofre, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2019 | 09h55

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro atuou nessa quarta-feira, 16, pela queda do líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO). Em áudio vazado, ele pediu a parlamentares da sigla que assinassem a lista para destituir o deputado e apoiassem o nome do seu filho, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o posto. O pedido foi gravado por um deputado não identificado. 

No áudio, Bolsonaro diz que já tem o apoio de 26 deputados e precisaria de apenas mais um para tirar Waldir do cargo. "Você sabe que o humor desse cara muda", diz ele sobre Waldir. O número necessário de assinaturas foi atingido na noite da quarta-feira.  A articulação para emplacar Eduardo foi revelada pela Coluna do Estadão

"É uma medida legal. Eu não sou a favor da lista não, quero deixar bem claro. Sou a favor da eleição direta, mas no momento a gente só tem a lista", diz ainda Bolsonaro na gravação. Na quarta, Eduardo afirmou que sua intenção é ficar no cargo de líder da bancada apenas até dezembro, quando haverá eleição interna no partido.

Ao deixar o Palácio da Alvorada na manhã desta quinta-feira, 17, Bolsonaro disse ter considerado uma "desonestidade" a divulgação da conversa e sugeriu ter sido "grampeado".  "Eu não trato publicamente deste assunto. Converso individualmente. Se alguém grampeou telefone, primeiro é uma desonestidade", afirmou. "Eu falei com alguns parlamentares. Me gravaram? Deram uma de jornalista? Eu converso com os deputados."  /    Colaboraram Camila Turtelli e Mateus Vargas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.