Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Eduardo Bolsonaro desiste de embaixada nos EUA

Com resistência no Senado e em meio à crise no PSL, filho do presidente fica na liderança do partido; Bolsonaro cita diplomata de carreira como opção

Renato Onofre, Julia Lindner, Fernanda Boldrin, Daniel Silveira, Mariana Hallal Samuel Lima, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2019 | 22h30
Atualizado 23 de outubro de 2019 | 10h47

O deputado federal Eduardo Bolsonaro desistiu nesta terça-feira, 22, da indicação para assumir a embaixada do Brasil em Washington em meio à resistência de seu nome no Senado e à crise em seu partido. O filho do presidente e atual líder do PSL afirmou que “fica” no País para defender a pauta conservadora e o governo do pai. O anúncio de Eduardo foi feito no mesmo dia em que o presidente afirmou que poderia indicar o diplomata de carreira Nestor Forster para o cargo caso o deputado desistisse efetivamente do posto.

A decisão de Eduardo, anunciada em pronunciamento no plenário da Câmara durante a aprovação do acordo entre o Brasil e os Estados Unidos para o uso comercial da base de Alcântara, já era esperada por auxiliares de Bolsonaro que afirmavam que, apesar da peregrinação, Eduardo não conseguiu convencer um número suficiente de senadores a apoiarem seu nome – o que poderia levar a uma derrota emblemática para o governo.

Há pouco mais de três meses, o presidente Jair Bolsonaro passou a defender a nomeação do filho para o principal cargo da diplomacia brasileira no exterior. No início de agosto, o governo dos Estados Unidos deu aval para a indicação de Eduardo como embaixador em Washington. Na prática, o governo de Donald Trump deu sinal verde para Eduardo ao responder positivamente ao pedido de “agrément” do Brasil. 

No entanto, a indicação jamais foi oficializada no Brasil por meio de uma mensagem ao Senado. Levantamento do Estado entre os senadores mostra que a resistência ao filho do presidente era grande e Eduardo Bolsonaro não contava com os 41 votos necessários para ser aprovado no Senado.

Nome de Eduardo enfrentava resistência no Senado, mostra levantamento

Procurados pela reportagem, 27 senadores declararam ser contra a indicação, e apenas 17 se diziam a favor. Outros 28 não quiseram responder, seis se diziam indecisos e três não foram encontrados. Mesmo depois de ter realizado “campanha” entre senadores, o ‘filho 03’ ganhou apenas duas declarações favoráveis a mais desde agosto, quando foi feita a primeira edição do placar.

O movimento do presidente Bolsonaro para colocar o seu filho na liderança do PSL também ajudou a inviabilizar a possibilidade do deputado de assumir a embaixada brasileira. “A liderança ainda está instável, mas, a princípio, só (fico) até o final do ano”, afirmou o deputado.

De acordo com deputado, a rejeição do eleitorado a saída dele para a embaixada também pesou. “É uma decisão que vem pensando há muito tempo. A gente escuta conselhos e, confesso, que ainda tem o meu eleitorado. Confesso, não era a maioria que estava apoiando”, afirmou.

Eduardo Bolsonaro afirmou ainda que sua decisão iria “decepcionar quem torcia por sua ida aos Estados Unidos” como uma forma de ficar distante da vida política brasileira. Ele criticou os governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. “Lula certamente não indicou seus filhos porque eles estavam ocupados em outras funções como o de ser o Ronaldinho dos negócios”, afirmou o líder do PSL.

Bolsonaro disse ainda que “no futuro” pode reconsiderar a indicação do filho para embaixada dos EUA. 

“Quem sabe no futuro a gente volte a esse assunto, mas acho que pelo menos no próximo ano não se discute mais esse assunto”, disse Jair Bolsonaro a jornalistas. O presidente destacou que a indicação de Eduardo, mesmo que fosse formalizada, não seria algo garantido justamente porque depende do aval dos senadores.

Forster ligado ao escritor Olavo de Cavalho

Cotado para a vaga, Forster é próximo ao chanceler Ernesto Araújo e ligado ao escritor Olavo de Carvalho. “Temos lá o Nestor Forster. Ele é um bom nome. Obviamente, o Eduardo desistindo que eu mande o nome dele ao Senado, tendo em vista a importância na política dentro do partido, o Forster é um bom nome para ser consolidado lá”, afirmou ontem Bolsonaro antes de seguir para a cerimônia de coroação do imperador japonês Naruhito, em Tóquio.

Forster era o favorito para assumir a embaixada dos EUA antes de Eduardo ser indicado. Para o presidente, seria mais estratégico o filho ajudar a “pacificar” o partido e a “catar os cacos” deixados pela crise interna do PSL.

Em junho, Forster foi promovido ao topo da carreira justamente para poder ocupar o posto. Um mês depois, no entanto, diplomatas foram surpreendidos pela possibilidade de Bolsonaro indicar Eduardo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.