Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Eduardo Azeredo é considerado foragido pela Polícia Civil de Minas Gerais

Ex-governador foi condenado a 20 anos e um mês de prisão por participação no mensalão mineiro

Leonardo Augusto, especial para O Estado de São Paulo

23 Maio 2018 | 09h56

BELO HORIZONTE - O ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo (PSDB) já é considerado foragido da Justiça do Estado. Segundo informações da Polícia Civil, o mandado de prisão, emitido no final da tarde de terça-feira, 22, continua em aberto nesse momento. A corporação já faz diligências e o tucano pode ser preso se, por exemplo, for parado em uma blitz.

Ainda conforme informações da Polícia Civil, Azeredo poderia se entregar em qualquer delegacia do Estado, ou mesmo fora de Minas Gerais, o que não ocorreu até o momento. No final da noite de terça-feira, o delegado Aloísio Fagundes afirmou que o tucano ainda não era considerado foragido porque havia negociações para que o ex-governador se entregasse.

A expectativa era de que Azeredo comparecesse a uma delegacia na região sul de Belo Horizonte. Por volta das 23h30, uma equipe normalmente utilizada em escoltas deixou o local. Não há confirmação que o grupo estivesse na delegacia para acompanhar o tucano até o local onde iniciará o cumprimento da pena.

++ 'Nunca procurei a prescrição', diz ex-governador tucano

Em Belo Horizonte não há penitenciárias para homens. As condenações são cumpridas em Ribeirão das Neves e Contagem. Há, porém, um centro de triagem no bairro Gameleira, região oeste da cidade, para onde normalmente seguem os presos antes de serem encaminhados para uma penitenciária.

Azeredo foi condenado a 20 anos e um mês de prisão por participação no mensalão mineiro. O tucano teve o último recurso contra a condenação negado na terça-feira pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Conforme a sentença de primeira instância, o cumprimento da pena deverá se iniciar esgotados os recursos na Justiça do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.