Felipe Rau e André Dusek/Estadão
Felipe Rau e André Dusek/Estadão

Doria entra com queixa-crime contra Ciro, que rebate: 'quer aparecer'

Advogados do prefeito afirmam que ex-ministro tem intenção de 'macular a honra objetiva' do tucano

Elisa Clavery, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2017 | 12h30

Após o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), entrar com uma queixa-crime contra Ciro Gomes (PDT) por calúnia, difamação e injúria, o ex-ministro voltou a chamar o tucano de "farsante" nesta quarta-feira, 20. Na representação criminal, distribuída no Foro Central Criminal Barra Funda no último dia 18, o advogado do prefeito afirma que Ciro chamou Doria três vezes de "farsante" e disse que "é notória" a intenção do ex-ministro em "macular a honra objetiva de João Doria". Os dois são cotados para candidatos à Presidência em 2018.  

"Esse João Doria é isso mesmo, farsante, que todo mundo vai ver rapidamente. Ele quer aparecer. Muito melhor colocar uma melancia no pescoço", disse Ciro, em um vídeo gravado pela TV do Diário do Nordeste e divulgado nas redes sociais do ex-ministro. 

Ciro chegou a comparar Doria ao deputado cassado Eduardo Cunha e o presidente Michel Temer, ambos do PMDB. "Ele (Doria) apenas vai entrar numa fila que tem Eduardo Cunha, que já está na cadeia, que eu denunciei quando ninguém sabia quem ele era. O Michel Temer que também me processou e todo mundo está vendo quem é agora", afirmou na gravação.

Ao Estado, um dos advogados de Doria, Fernando José da Costa, criticou a declaração de Ciro. "Ele só corrobora o seu 'animus' de caluniar, difamar e injuriar a honra do prefeito", disse. "É muito importante que se diga que a honra é o bem mais precioso do homem honesto."

A peça processual, assinada por Costa e pela advogada Daniele dos Santos Fernandes e com mais de 20 páginas, cita uma palestra de Ciro na Universidade de São Paulo (USP) e algumas reportagens - uma delas do Estado, em que o ex-ministro disse preferir "mil vezes um cara como Bolsonaro do que um farsante como Doria". A defesa, que chamou as declarações do ex-ministro de "inverdades", também cita reportagem do jornal “Folha de S. Paulo”, em que Ciro fala que Doria, quando presidente da Embratur, "saiu debaixo de muitas irregularidades no Tribunal de Contas da União", além de dizer que o prefeito foi criticado por estimular o turismo sexual, afirmação que os advogados chamam de "delirante". 

Em um trecho da queixa-crime, os advogados afirmam que os comentários "extrapolam 'em muito' o seu direito à liberdade de expressão e manifestação do pensamento". A defesa citou o casamento de "quase trinta anos" de Doria, bem como seus filhos e seu cargo como prefeito, para justificar que o tucano "tem todos os aspectos de sua vida atrelados à reputação". 

Ciro é descrito como alguém que "sempre foi conhecido por expor inadvertidamente suas opiniões acerca de pessoas públicas e, geralmente, seus adversários políticos". Os advogados falam, ainda, em uma "sanha" contra Doria por parte do ex-ministro. 

Os advogados argumentam, ainda, que as penas para crimes contra a honra "são aumentadas em um terço quando a ofensa for praticada na presença de várias pessoas ou por meio que facilite sua divulgação."

A indisposição com Ciro não é a primeira do tucano com um potencial presidenciável. Crítico assumido do PT, Doria comemorou a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e disse que a "justiça foi feita". No dia seguinte, chamou o petista de "mentiroso". O ex-presidente também já deu declarações atacando o prefeito. "Um coxinha ganhou as eleições em São Paulo se fazendo passar por 'João Trabalhador'", disse Lula em maio deste ano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.