Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Depois de bispos, grupo de padres lança carta com críticas a Bolsonaro

Com adesão de mais de mil nomes, religiosos também reclama de gestão do governo federal na crise do novo coronavírus

Felipe Frazão e Tomás Conte, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2020 | 14h13

Um grupo de padres divulgou nesta quinta-feira, 30, uma carta em “apoio e adesão” aos bispos que assinaram um documento com críticas ao governo de Jair Bolsonaro com o nome de “Carta ao Povo de Deus”. O texto com a assinatura de 152 bispos e arcebispos brasileiros, foi divulgado na última segunda-feira, 27, e ainda será analisado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

A carta dos padres, intitulada “Caminhamos na Estrada de Jesus”, que já tem 1.058 adesões, afirma que o documento dos bispos “representa nossos pensamentos e sentimentos”. Os padres ainda afirmam que a carta é “uma leitura lúcida e corajosa da realidade atual à luz da fé”.

Os padres também criticaram o governo do presidente Jair Bolsonaro. “Sabemos que os que nos governam têm o dever de agir em favor de toda a população, de maneira especial, os mais pobres. Não tem sido esse o projeto do atual Governo”. Desta forma, eles declaram também estarem “profundamente indignados com ações do Presidente da República em desfavor e com desdém para com a vida de seres humanos e também com a da ‘nossa irmã, a Mãe Terra’, e tantas ações que vão contra a vida do povo e a soberania do Brasil”.

“Nós, ‘Padres da Caminhada’, ‘Padres contra o Fascismo’, diáconos permanentes e tantos outros padres irmãos, empenhados em diversas partes do Brasil a serviço do Evangelho e do Reino de Deus, manifestamos nosso agradecimento e apoio aos bispos pela Carta ao Povo de Deus”, escreveram.

Na carta, os padres ainda se solidarizaram com as famílias vítimas da covid-19 e criticaram a condução da pandemia. “Próximos de atingir 100 mil mortos nesta pandemia, é inadmissível que não haja neste governo um Ministro da Saúde, que possa conduzir as políticas de combate ao novo coronavírus”, escreveram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.