Daniel Flores/CNBB
Daniel Flores/CNBB

Conselho permanente da CNBB discutirá carta vazada com críticas a Bolsonaro

No documento, bispos acusam o governo federal de 'inércia e omissão' no combate à pandemia do novo coronavírus e de 'incapacidade e inabilidade' para enfrentar a crise

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2020 | 21h38

SOROCABA – O conselho permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) vai analisar a carta assinada por 152 bispos e arcebispos brasileiros contendo críticas ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). De acordo com o bispo dom Pedro Stringhini, presidente da Regional Sul 1 da CNBB, a carta seria abordada em reunião do conselho que já estava marcada para o dia 5 de agosto, mas houve o vazamento antecipado do conteúdo. No texto, os bispos acusam o governo federal de “inércia e omissão” no combate à pandemia do novo coronavírus e de “incapacidade e inabilidade” para enfrentar a crise.

O clero brasileiro tem cerca de 470 bispos, dos quais 310 estão na ativa e, destes, 79 são arcebispos, ou seja, cerca de um terço do clero assinou a “Carta ao Povo de Deus”, como foi denominada a mensagem. Segundo dom Pedro, a reunião no dia 5 de agosto não acontecerá por causa da carta, mas abordará também o tema. “Sim, porque a carta seria, de qualquer maneira, discutida no dia 5, sem ser vazada. Com o vazamento, o conteúdo que esses 150 bispos estavam apresentando para o conselho permanente já foi divulgado e vai tendo seus efeitos, sendo positivos ou negativos.”

O bispo disse que não é signatário, mas leu o conteúdo do documento. “O objetivo não é simplesmente criticar o presidente, mas trazer questões que dizem respeito à vida do nosso povo, às crises que passamos, crise sanitária, crise econômica, crise política, democracia, Amazônia, incêndios, a situação difícil dos índios, dos pobres em geral, dos desempregados. É esse o teor da carta, para a gente não desfocar os problemas, que não são problemas desconhecidos da população e muito menos das forças da sociedade que discutem esses problemas.”

Ele lembrou que, nessa linha de discutir a vida do País, a reunião terá também um foco na participação da CNBB no movimento Pacto Pela Vida e pelo Brasil, que reúne ainda a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Academia Brasileira de Ciências (ACI), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e outros organismos relevantes da sociedade em uma aliança para enfrentar as crises sanitária, econômica, social e política que vive o País, segundo as entidades participantes. “Hoje, graças a Deus, são diversos movimentos que estão pensando a situação no Brasil, a Comissão Arns, por exemplo, o Somos 70%, são diversos movimentos, e a CNBB está envolvida neles, sobretudo no Pacto pela Vida e pelo Brasil.”

Os bispos que assinam a carta são de todas as regiões do Brasil, inclusive o estado de São Paulo. O arcebispo emérito de São Paulo, dom Cláudio Hummes, um dos signatários, foi procurado pela reportagem. Conforme o bispo auxiliar da arquidiocese, dom Devair Araújo da Fonseca, ao ser consultado, dom Cláudio disse que não daria entrevista. A presidência da CNBB informou, através de sua assessoria, que é uma carta dos signatários e não reflete o posicionamento da Conferência.

O texto compara o momento atual do Brasil a uma “tempestade perfeita” e atribui à combinação de “uma crise de saúde sem precedentes, com um avassalador colapso da economia e com a tensão que se abate sobre os fundamentos da República, provocada em grande medida pelo Presidente da República e outros setores da sociedade, resultando numa profunda crise política e de governança”. O documento cita a destruição da Amazônia e do meio ambiente pela “ação inescrupulosa de madeireiros, garimpeiros, mineradores, latifundiários” e outros defensores de um desenvolvimento que despreza os direitos humanos.

Os bispos lembram a convivência com a “incompetência do governo federal para coordenar suas ações, agravadas pelo fato de se colocar contra a ciência”, e ainda o “desprezo pela educação, cultura saúde e pela diplomacia”. “Esse desprezo é visível nas demonstrações de raiva pela educação pública; no apelo a ideias obscurantistas; na escolha da educação como inimiga; nos sucessivos e grosseiros erros na escolha dos ministros da educação e do meio ambiente do secretário da cultura.” O documento lembra ainda a “omissão, apatia e rechaço” do governo pelos mais pobres e a decisão do presidente de negar acesso à água potável, leitos hospitalares e material de higiene a indígenas e quilombolas.

As divergências entre os bispos brasileiros e o presidente começaram antes mesmo de Bolsonaro assumir a presidência. Em 2018, ao criticar a realização do Sínodo da Amazônia, já eleito, Bolsonaro atacou a CNBB, afirmando que o órgão integra “a parte podre da Igreja Católica”. O posicionamento do órgão católico em relação às queimadas e à questão fundiária da Amazônia também azedou a relação com o governo. Recentemente, a CNBB desautorizou os padres que ofereceram apoio a Bolsonaro em troca da ampliação do alcance de suas redes de radiodifusão, além de verbas publicitárias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.