DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Comissão de Ética decide arquivar caso Wajngarten

Denúncia apontava conflito de interesses entre os negócios do chefe da Secom e sua atuação no governo

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2020 | 16h26

BRASÍLIA - A Comissão de Ética da Presidência decidiu, por quatro votos a dois, arquivar o caso envolvendo o secretário especial da Comunicação, Fábio Wajngarten. O colegiado se reuniu nesta terça-feira para analisar o caso.

Em nota divulgada pela assessoria de imprensa do Planalto, a Secom afirmou que "ficou comprovado" que não há conflito de interesses e que "nenhum grupo econômico do setor foi favorecido pelos atos administrativos do secretário de Comunicação".

"Prevaleceu a verdade e o bom senso. Não há nada de aético ou ilegal na atuação do Secretário Fábio Wajngarten, à frente da Secretaria de Comunicação. A denúncia arquivada é um atestado de idoneidade a ele", diz o texto.

A denúncia feita à Comissão de Ética apontava suposto conflito de interesses entre os negócios do chefe da Secom e sua atuação no governo. Wajngarten é sócio da FW Comunicação e Marketing, dona de contratos com ao menos cinco empresas que recebem recursos direcionados pela Secom, entre elas as redes de TV Band e Record. O caso foi revelado pelo jornal Folha de S. Paulo.

Mesmo com o arquivamento na comissão de ética, no entanto, Wajngarten continua sendo investigado pela Polícia Federal. O inquérito foi instaurado a pedido do Ministério Público Federal (MPF) em Brasília e tramita em sigilo.

"O Secretário de Comunicação continua confiante de que em outros fóruns aonde as supostas denúncias são objeto de apuração, a conclusão será a mesma porque elas não encontram respaldo na realidade", conclui a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.