GABRIELA BILO / ESTADAO
GABRIELA BILO / ESTADAO

Ciro propõe usar parte das reservas internacionais para capitalizar BNDES

Pré-candidato à presidência nas eleições 2018 acredita ser possível destinar recursos de até US$ 160 bi para capitalizar o banco

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2018 | 18h54

O pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, afirmou nesta terça-feira, 17, que estuda utilizar parte das reservas internacionais, cujo volume atualmente se aproxima dos US$ 380 bilhões, para capitalizar o BNDES.

+ Presidente do PSB diz que neutralidade nas eleições 2018 é 'inaceitável'

"Os padrões mais conservadores dizem que seria necessário manter reservas no valor de um ano e meio de importações. Hoje, nossas reservas - salvo engano -, estão próximas de US$ 350 bilhões, então estudamos um tranche, US$ 160 bilhões, que poderia ser condicionado para a capitalização do BNDES", disse o ex-governador do Ceará, que participa de encontro promovido pela Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), na capital paulista.

Segundo o presidenciável, além de contribuir para diminuir o custo fiscal do carregamento de reservas, a proposta serviria para capitalizar o BNDES em um momento em que o Tesouro está muito "combalido".

+ Siglas abrem convenções com cenário indefinido

Ciro ainda comentou que esse crédito seria canalizado para os setores de infraestrutura e maquinário e que seria emprestado com contrapartidas. "Menos na questão do emprego e mais em determinadas condicionalidades fraternalmente estimuladas, como a de conteúdo nacional", exemplificou. "Isso elimina crítica de que qualquer crédito ao setor de máquinas e infraestrutura é "bolsa-empresário"".

+Rejeição de eleitor encarece campanha nas redes sociais nas eleições 2018

O pedetista é o terceiro presidenciável recebido pela Abimaq, que já trouxe Manuela D'Ávila (PCdoB) e Aldo Rebelo (Solidariedade). Aos pré-candidatos, a entidade distribuiu um documento com as propostas para o setor. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.