Diego Gama/Câmara Municipal de Sorocaba (3/8/2020)
Diego Gama/Câmara Municipal de Sorocaba (3/8/2020)

Chefe de batalhões da PM paulista convoca para ato bolsonarista e ataca o STF; Doria afasta coronel

Aleksander Lacerda, que comandava no interior tropas com 5 mil homens, publicou as críticas em rede social; após revelação do caso pelo 'Estadão', é desligado do posto por indisciplina

Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2021 | 05h00
Atualizado 23 de agosto de 2021 | 12h04

O governo de São Paulo determinou o afastamento preliminar do chefe do Comando de Policiamento do Interior-7 da Polícia Militar de São Paulo, coronel Aleksander Lacerda, que vem convocando seus “amigos” para a manifestação do dia 7 de Setembro, em Brasília. Uma reunião do comando geral da PM foi convocada para esta segunda-feira e pode determinar outras punições a Lacerda, aguardado no encontro para apresentar sua defesa.

A decisão foi anunciada na manhã desta segunda-feira, 23, após o Estadão revelar as publicações do coronel, que até agora tinha sob suas ordens 7 batalhões da PM paulista, cuja tropa de cerca de 5 mil homens é desdobrada em 78 municípios da região de Sorocaba, sede do CPI-7. Em suas postagens, o oficial afirma que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM), é “covarde”, que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), é uma “cepa indiana” e o deputado Rodrigo Maia, recém-nomeado secretário de Projetos e Ações Estratégicas do Estado, é qualificado como beneficiário de um esquema “mafioso”. 

"A Polícia Militar do Estado de São Paulo informa que o coronel Aleksander Toaldo Lacerda foi afastado preliminarmente das suas funções à frente do Comando de Policiamento do Interior-7 (CPI-7). A Corregedoria da instituição, que é legalista e tem o dever e a missão de  defender a Constituição e os valores democráticos do País nela expressos, analisa as manifestações recentes do oficial, que foi convocado ao Comando Geral para prestar esclarecimentos", diz a nota assinada pelo coronel Fernando Alencar Medeiros, comandante-Geral da PM, divulgada nesta segunda. São proibidas manifestações político-partidárias por parte de integrantes da corporação, e Lacerda acabou afastado do cargo de chefia por indisciplina.  

"Aqui no Estado de São Paulo nós não teremos manifestações de policiais militares na ativa de ordem política", afirmou o governador João Doria em entrevista coletiva esta manhã.

As manifestações do coronel são o mais forte episódio de contaminação do bolsonarismo na PM paulista, pois envolvem um comandante da ativa – o que, segundo especialistas ouvidos pelo Estadão, pode configurar transgressão disciplinar. Elas acontecem em meio à crescente tensão no País com a convocação dos atos do 7 de Setembro. Além dele, militares bolsonaristas da reserva em Estados como Ceará e São Paulo, têm convocados veteranos da PM para os atos. Esse é o caso do coronel Ricardo Mello Araújo, diretor do Ceagesp, que gravou um vídeo em sua conta do Instagram convocando veteranos da Rota. 

Ao contrário dos integrantes da ativa, os homens da reserva podem participar de manifestações. O medo de ruptura ligada às PMs faz parte do cenário traçado por oficiais generais e ex-ministros da Defesa como Raul Jungmann, conforme revelou o Estadão. O temor é que Bolsonaro use as PMs para tentar uma ruptura e melar as eleições de 2022. No sábado, 21, os governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), e do Piauí, Wellington Dias (PT), anunciaram um encontro, hoje, entre 24 governadores para discutir a defesa das instituições democráticas. 

Posts

O coronel Lacerda fez suas manifestações em sua conta no Facebook. Após a Secretaria de Segurança ser procurada anteontem pela reportagem, o coronel fechou ontem a conta para desconhecidos. Até então, tudo era público. Em 16 de agosto, postou: “Liberdade não se ganha, se toma. Dia 7/9 eu vou”. No dia 20, o coronel publicou mensagem na qual é dito que “nenhum liberal de talco no bumbum” consegue “derrubar a hegemonia esquerdista no Brasil”. “Precisamos de um tanque, não de um carrinho de sorvete”. Sobre o dia 7 de Setembro, compartilhou a mensagem: “caldo vai esquentar”. 

Sobre o senador Pacheco, escreveu, ao compartilhar a notícia de que ele se recusara a levar adiante o pedido de Bolsonaro de impeachment do ministro do STF Alexandre de Moraes: “Covarde! Honre seu Estado, que nos deu Tiradentes, JK, Tancredo e tantos outros”. Doria foi retratado como travesti em montagem ao lado dos senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Renan Calheiros (MDB-AL), Omar Aziz (PSD-PA), Humberto Costa (PT-PE) e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e chamados de “cepas indianas prontas para acabar com o Brasil”. No dia 18, o coronel compartilhou post do ex-senador Magno Malta no qual pergunta se os ministros Moraes e Luís Roberto Barroso vão punir “Doria e Zé Dirceu”, igualando a situação do governador com a do líder petista. 

O coronel agia principalmente por meio do compartilhamento de publicações de blogueiros e de parlamentares bolsonaristas. Ao todo, o Estadão contou 397 publicações de caráter político e partidário entre os dia 1.º e 22 de agosto. Foram 152 delas com campanhas bolsonaristas, como a do voto impresso, por meio de posts de deputados como Carlos Jordy (PSL-RJ) e Filipe Barros (PSL-PR), o relator da PEC do Voto Impresso, derrotada na Câmara. 

Também havia publicações sobre o Movimento Brasil Livre (MBL), chamado de “PSOL infantil” com uma foto do deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP). O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é chamado de “molusco”, “corrupto” e “mais perigoso sem tornozeleira do que Bolsonaro sem máscara”. 

O coronel publicou ainda 148 críticas e ofensas à atuação do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e de seus ministros. O coronel disse em 5 de agosto: “Sinto nojo do STF”. Alexandre de Moraes é retratado em uma publicação como um bigode do ditador Adolf Hitler. 

Já o ministro Barroso é visto em uma montagem vestindo um uniforme da polícia secreta de Stalin, a NKVD, por sua atuação à frente do TSE. Por fim, o coronel fez publicações contra o presidente do STF, Luiz Fux, e o ministro Edson Fachin, chamado de “vergonha” e com a hashtag #forafachin. 

Em outra postagem, o coronel se diz “100% com Sérgio Reis”. O cantor foi alvo de busca e apreensão determinada pelo ministro Moraes por incitar caminhoneiros e ruralistas para a manifestação do 7 de Setembro pelo impeachment de ministros do STF e pelo voto impresso. “Se em 30 dias não tirarem aqueles caras nós vamos invadir, quebrar tudo e tirar os caras na marra. Pronto. É assim que vai ser”, disse Reis. Ele também afirmou que os caminhoneiros iam parar o País por 72 horas. “Ninguém anda no País, não vai ter nem caminhão para trazer feijão para vocês aqui dentro.”

Paulista

Além de Brasília, está previsto outro protesto bolsonarista no dia 7, na Avenida Paulista, em São Paulo. Ontem, o governo paulista informou que cumprirá decisão judicial que decidiu que o lugar, disputado também pela oposição, será ocupado por bolsonaristas. Em grupos de WhatsApp de PMs foram compartilhadas mensagens que preveem envio de 82 ônibus e 16 vans do interior para a capital. 

Em nota, a PM informou ser “uma instituição de Estado legalista, que tem o dever e a missão de  defender a Constituição e os valores democráticos do País”. “Postagens e opiniões expressadas por PMs em contas privadas de redes sociais, eventos oficiais públicos e na mídia em geral, quando atentarem contra as normas vigentes e tomarem contornos de ilegalidade, serão punidas com rigor. O conteúdo citado pela reportagem passa por análise criteriosa da Corregedoria.” O Estadão não conseguiu localizar o coronel. Para Lacerda, a fala de Reis era mero exercício da liberdade de expressão. Após fechar sua página, ele publicou uma foto com a imagem de um guerreiro cruzado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.