Evaristo Sá / AFP
Evaristo Sá / AFP

Centrão recebe cargos e já vota alinhado ao Planalto

Bolsonaro inicia partilha de postos aos partidos do bloco em troca de apoio no Congresso; Progressistas emplaca indicado para o comando do Dnocs, com orçamento de R$ 1 bilhão

Vinícius Valfré e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2020 | 05h00

BRASÍLIA - Sob pressão de aliados e após sofrer sucessivas derrotas políticas, o presidente Jair Bolsonaro começou na quarta-feira, 6, a distribuir cargos aos partidos do Centrão, em troca de votos no Congresso, ressuscitando a velha prática do “toma lá, dá cá”. No casamento de papel passado, a primeira legenda a ser contemplada foi o Progressistas do deputado Arthur Lira (AL), que conseguiu emplacar um indicado para o comando do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), autarquia com orçamento de R$ 1 bilhão neste ano.

A nomeação saiu no Diário Oficial da União um dia depois de o Centrão ter apoiado o governo em votações importantes. O bloco ficou alinhado ao Palácio do Planalto, na terça-feira, 5, durante votação na Câmara da proposta que prevê o socorro a Estados e municípios. Ao contrário de outras ocasiões, quando impunham reveses a Bolsonaro, líderes do bloco foram ao microfone para orientar votos conforme os interesses do Executivo.

O nomeado para o Dnocs é Fernando Marcondes de Araújo Leão. A autarquia sempre foi controlada pelo MDB, mas o presidente permitiu que a indicação fosse feita por Lira, líder do Progressistas (antigo PP) e réu em processo por corrupção passiva. 

Lira, por sua vez, repassou o apadrinhamento para o deputado Sebastião Oliveira (PL-PE), representante do baixíssimo clero da Câmara, transformando a indicação numa “barriga de aluguel”. Ao terceirizar a escolha, ele desagradou a parlamentares do Progressistas, mas a estratégia faz parte dos planos para a construção de uma base de apoio na disputa pela presidência da Câmara, em fevereiro de 2021. O Estadão apurou que Lira também quer reunir partidos menores, como PSC, Patriotas e Avante, para fortalecer sua possível candidatura e espera o apoio de Bolsonaro.

Questionado sobre o movimento do deputado na indicação para o Dnocs, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), desconversou e disse ter ótimo diálogo com os colegas. “Se um partido quer participar do governo, o que isso tem a ver com minha relação aqui na Câmara?”, perguntou Maia, ao negar que as articulações sejam para esvaziar seu poder. “A pauta é sempre do presidente da Câmara”, argumentou.

Procurados pelo Estadão, alguns dos principais líderes do Centrão não quiseram falar abertamente sobre a nova aliança com o Planalto. “Ninguém pergunta se o que está sendo votado é bom ou não”, afirmou Jhonatan de Jesus (Republicanos-RR). 

O líder do Solidariedade na Câmara, Zé Silva (MG), admitiu que o partido deve apoiar mais propostas do governo, mas disse não ter aceitado cargos em troca. “O Solidariedade fez a opção de apoiar os projetos que forem importantes, mas não está indicando para estruturas do governo”, destacou. Diego Andrade (MG), do PSD, garantiu, por sua vez, que a sigla é “independente” e preocupada com a agenda econômica.

“Quem está segurando as CPIs para investigar as interferências de Bolsonaro na PF e outros crimes relatados pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro é a tropa de parte do Centrão”, disse a líder do PSL, Joice Hasselmann (SP).  “O presidente deu cargos, estatais, secretarias, departamentos, e conseguiu a ‘lealdade’ com base no velho tomá-la-da-cá”, disse. 

Lideranças do Centrão ouvidas pela reportagem negam que essa tentativa de barrar a abertura das CPIs esteja acontecendo.

Regularização

Depois de carimbar o Centrão como “velha política”, Bolsonaro também já conta com o bloco para evitar a perda dos efeitos da medida provisória de regularização fundiária, conhecida como “MP da grilagem”, que perde a validade no próximo dia 19. Até então, Maia só pretendia pautar a MP caso houvesse consenso entre Ministério da Agricultura e as bancadas do agronegócio e do meio ambiente, o que ainda não ocorreu.

Em uma época de pandemia de covid-19, o tema é caro ao governo, que considera que a MP necessária para promover a “dignidade de produtores rurais” e “o desenvolvimento do nosso Brasil". Os que se opõem à medida veem riscos de regularização de territórios invadidos por grileiros e desmatadores ilegais.

Nos bastidores, integrantes do Centrão argumentam que a nomeação de Araújo Leão para comandar o Dnocs marcou uma aliança entre o Planalto e o bloco de partidos de centro e centro direita. Com isso, o governo pôs o grupo no controle de uma autarquia que terá neste ano R$ 265 milhões apenas para investimentos. É dinheiro que pode ser usado, por exemplo, para compra de equipamentos e obras em localidades remotas com grande potencial de atração de votos.

O orçamento total do Dnocs para 2020, de R$ 1 bilhão, não chega a ser o maior entre autarquias e demais órgãos desejados pelo Centrão – a título comparativo, o orçamento do Dnit é de R$ 8,4 bilhões. 

O deputado Sebastião Oliveira, padrinho do novo diretor do Dnocs, foi o secretário estadual de Transportes de Pernambuco entre 2015 e 2018, oportunidade na qual nomeou Fernando Leão para uma secretaria executiva da pasta. O grupo já controla o Dnocs em Pernambuco. Todos os citados foram procurados pela reportagem para comentar os critérios da indicação, mas não atenderam às chamadas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.