Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Bolsonaro volta a criticar governo e parabeniza caminhoneiros em meio à greve

Pré-candidato já tinha sugerido que o futuro presidente revogue qualquer multa aplicada aos motoristas

O Estado de S.Paulo

29 Maio 2018 | 07h45

O pré-candidato à presidência da República Jair Bolsonaro, do PSL (Partido Social Liberal), voltou a criticar o governo em meio à greve dos caminhoneiros que, nesta terça-feira, 29, chega ao nono dia de paralisação. Pelo Twitter, Bolsonaro também parabenizou os profissionais da categoria pela "luta justa contra mazelas que atingem a população causadas pela corrupção enraizada em nosso país".

+ AO VIVO: Acompanhe a paralisação dos caminhoneiros

Mesmo após o governo ceder ainda mais às reivindicações dos caminhoneiros, os motoristas seguem bloqueando estradas em todo o País, o que indica que a paralisação não dá sinais de terminar.

Neste sábado, 26, após reunião de Temer e mais oito ministros, o governo anunciou que aplicará multa de R$ 100 mil por hora a transportadoras que não voltarem ao trabalho. O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, porta-voz da decisão governamental, apontou, ainda, que foram requisitados mandados de prisão para alguns empresários suspeitos de estarem promovendo locaute (greve de empresas).

+ Greve dos caminhoneiros: Veja o que funciona e o que não funciona em SP nesta terça

Segundo Bolsonaro, "o governo trabalha para colocar na conta dos caminhoneiros a responsabilidade pelos futuros prejuízos causados pela paralisação".

Não é a primeira vez que o deputado federal do Rio de Janeiro critica a atuação do governo diante da crise. No domingo, 27, ele sugeriu que um futuro presidente honesto e patriota deve revogar qualquer multa, prisão ou confisco a caminhoneiros que sejam determinados pelo presidente Michel Temer ou pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. 

+ Motoristas e motoqueiros passam madrugada a espera de combustível

 

Mais conteúdo sobre:
Jair Bolsonarogrevecaminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.