TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Bolsonaro critica governo e sugere que futuro presidente revogará punições a caminhoneiros

Pelo Twitter, pré-candidato a presidente também afirmou que os 'responsáveis pela crise são ótimos em gerar ineficiência do Estado e corrupção'

O Estado de S.Paulo

27 Maio 2018 | 10h09

O pré-candidato à presidência da República Jair Bolsonaro, do PSL (Partido Social Liberal), criticou a ação do governo na tentativa de encerrar a paralisação dos caminhoneiros. Pelo seu perfil no Twitter, Bolsonaro afirmou que um futuro presidente honesto e patriota deve revogar qualquer multa, prisão ou confisco a caminhoneiros que sejam determinados pelo presidente Michel Temer ou pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. 

Neste sábado, após reunião de Temer e mais oito ministros, o governo anunciou aplicará multa de R$ 100 mil por hora a transportadoras que não voltarem ao trabalho. O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, porta-voz da decisão governamental, apontou, ainda, que foram requisitados mandados de prisão para alguns empresários suspeitos de estarem promovendo locaute (greve de empresas). 

+ ACOMPANHE O AO VIVO DA PARALISAÇÃO DOS CAMINHONEIROS

Mas a postagem da manhã deste domingo não foi a primeira crítica feita pelo deputado federal do Rio de Janeiro à atuação do governo diante da crise gerada pela greve. Em outro tuíte, ele argumentou que "os responsáveis pela crise são ótimos para distribuir ministérios, estatais, diretorias de bancos... que geram ineficiência do Estado e corrupção" e que a essa forma de governar "vem destruindo o Brasil". 

 

 

Mais conteúdo sobre:
Jair Bolsonarocombustívelgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.