Reprodução/Twitter.com/GenJuarezCunha
Reprodução/Twitter.com/GenJuarezCunha

Bolsonaro tira general da cúpula do governo e coloca nos Correios

Floriano Peixoto será a segunda troca na Secretaria-Geral em menos de seis meses de governo

Teo Cury, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2019 | 18h03

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro decidiu exonerar mais um general do primeiro escalão do governo. O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, general Floriano Peixoto, deixará o cargo. Em troca, ele vai assumir a presidência dos Correios no lugar do também general Juarez Aparecido de Paula Cunha, demitido em público por Bolsonaro na semana passada.

Será a segunda troca na Secretaria-Geral em menos de seis meses de governo. Gustavo Bebianno, que assumiu a função no início da gestão Bolsonaro, foi demitido em fevereiro após desentendimentos com o presidente e com um de seus filhos, o vereador do Rio Carlos Bolsonaro (PSC).

O general Peixoto, que foi secretário executivo de Bebianno, é próximo de Carlos Alberto dos Santos Cruz, demitido na semana passada da Secretaria de Governo. Bolsonaro afirmou que convidou Santos Cruz para assumir os Correios. Em entrevista à revista Época, porém, o general negou ter recebido a oferta e disse que não aceitaria, pois considera “inapropriado” sair da condição de ministro para ser subordinado a outro ministério. 

Esta é a quarta baixa da ala militar no governo de Bolsonaro em menos de duas semanas. Além de Cunha, Santos Cruz e Peixoto, o general Franklimberg Ribeiro de Freitas foi exonerado do comando da Fundação Nacional do Índio (Funai) na terça-feira da semana passada, conforme antecipou o Estado.

Governo ainda não definiu substituto

O governo ainda não bateu o martelo sobre quem assumirá a Secretaria-Geral da Presidência no lugar de Floriano Peixoto. Uma das possibilidades é o subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Jorge Antonio de Oliveira. Ele foi assessor, na Câmara, do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho “03” do presidente. Bolsonaro já havia decidido retirar o órgão comandado por Oliveira da Casa Civil e transferi-lo para a Secretaria-Geral. Uma medida provisória publicada anteontem prevê a mudança.

Outro nome cotado para o cargo é o do atual secretário especial da Previdência, Rogério Marinho. Ex-deputado do PSDB, Marinho é considerado por seus pares como um hábil negociador político e, até a votação da reforma da Previdência, poderia acumular as funções.

A opção de levar Marinho para o Planalto partiu do ministro da Economia, Paulo Guedes, como forma de reforçar a articulação política. Bolsonaro gosta do ex-deputado, que tem boa relação com o Congresso e é próximo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

Correios. A troca foi decidida após o então presidente dos Correios, general Juarez Cunha, se opor ao plano do governo de privatizar a estatal. Acusado de “agir como sindicalista” por Bolsonaro, Cunha teve sua demissão anunciada pelo presidente durante um café da manhã com jornalistas há uma semana. Na ocasião, Bolsonaro se referia a uma audiência pública na Câmara em que Cunha pregou contra a venda dos Correios e posou para fotos ao lado de parlamentares da oposição. 

A privatização está nos planos do governo para enxugar a máquina pública. Apesar disso, o Ministério da Ciência e Tecnologia, comandado por Marcos Pontes, tem defendido mais reflexão sobre a estratégia para as empresas que estão sob sua tutela, incluindo os Correios, que tem mais de 100 mil funcionários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.