WALTERSON ROSA/FRAMEPHOTO
WALTERSON ROSA/FRAMEPHOTO

Bolsonaro oferece vaga de vice na chapa ao PR

Pré-candidato do PSL tenta ampliar o tempo da propaganda eleitoral na TV e faz convite ao senador Magno Malta; oferta, porém, sofre resistências

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

22 Março 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Pré-candidato à Presidência pelo PSL, o deputado federal Jair Bolsonaro (RJ) ofereceu ao PR a vaga de candidato a vice-presidente em sua chapa. O presidenciável busca aliança com o partido para aumentar seu tempo na propaganda eleitoral no rádio e na TV. O PR pode agregar cerca de 45 segundos ao tempo de Bolsonaro. Sozinho pelo PSL, ele teria menos de 10 segundos. A oferta para dividir a chapa foi feita ao senador Magno Malta (PR-ES).

“Tenho conversado com o Magno não é de hoje. Acho um excelente parlamentar. E logicamente, se prosperar nossa ideia de disputar a convenção agora para presidente da República, o Magno Malta, se quiser somar conosco, da minha parte está fechado”, afirmou Bolsonaro ao Estadão/Broadcast. “Já conversei com ele, mas não aprofundamos detalhes”, disse ele. Procurado nesta quarta-feira, 21, Malta não foi encontrado.

+++Bolsonaro decide manter silêncio sobre assassinato de Marielle

O senador é o principal interlocutor de Bolsonaro no PR. O presidenciável, contudo, também tem boa relação com o ex-deputado Valdemar Costa Neto (SP), que, na prática, é quem comanda o partido. Os dois assumiram o primeiro mandato na Câmara na mesma época, em 1991, e foram colegas até 2005, quando Costa Neto renunciou ao mandato em razão do envolvimento no escândalo do mensalão, no qual foi condenado anos depois por corrupção e lavagem de dinheiro. 

“Se não for o Magno, a ideia é que seja alguém do PR do Nordeste”, disse o deputado Delegado Fernando Francischini (PSL-PR), um dos coordenadores da pré-campanha de Bolsonaro. Segundo ele, o PR tem muitos filiados na região com perfil parecido com o que Bolsonaro procura. O parlamentar, porém, não quis citar nomes.

+++26 anos depois, a musa do impeachment quer voltar

Em troca do tempo de TV, Bolsonaro acena ao PR com coligações nas eleições proporcionais de deputados nos Estados. Para o PSL, a popularidade do presidenciável pode ajudar o PR a eleger o maior número de deputados federais, aumentando sua influência política e sua participação no Fundo Partidário – cuja maior parte é dividida proporcionalmente ao tamanho das bancadas na Câmara. 

Sem unanimidade. O apoio a Bolsonaro, porém, divide o PR. Os principais entusiastas são os parlamentares que integram a chamada “bancada da bala”. “Ele pode ajudar a gente a aumentar o número de deputados eleitos”, disse o deputado Jorginho Mello (PR-SC). 

+++Jucá afirma que Temer está 'estudando' candidatura

A resistência a Bolsonaro vem principalmente de integrantes do partido no Nordeste. “Se eu estiver com Bolsonaro na Bahia, estou morto”, disse o líder do PR na Câmara, José Rocha (BA). Ele afirmou que a “tendência” hoje é apoiar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ou o governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.