Adriano Machado / Reuters
Adriano Machado / Reuters

Bastidores: Bolsonaro é avisado que Congresso deve deixar MP trabalhista perder a validade

Entre outros pontos, o texto prevê incentivo para o primeiro emprego e para pessoas com mais de 55 anos, com a redução de encargos trabalhistas

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2020 | 14h42

BRASÍLIA -  Após o presidente Jair Bolsonaro voltar sua artilharia para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), auxiliares do Palácio do Planalto receberam a informação de que o Congresso não vai mais votar a medida provisória que cria o contrato Verde e Amarelo.  Segundo um interlocutor do presidente, a decisão de deixar a MP caducar foi vista no Palácio do Planalto como uma espécie de "vingança" da cúpula do Congresso após a troca de farpas públicas entre Maia e Bolsonaro em entrevistas à CNN na noite de quinta-feira, 16.  

Inicialmente, a votação da MP estava prevista para esta sexta-feira, 17. A medida reduz impostos às empresas na contratação de jovens de 18 a 29 anos e pessoas acima de 55 anos. O texto perderá a validade se não for aprovado pelos senadores até segunda-feira, 20. As bancadas ainda vão discutir se a medida será votada, mas a tendência é a MP caducar.

Em entrevista à CNN ontem, Bolsonaro disse que a atuação de Maia é “péssima” e insinuou que o parlamentar trama contra o seu governo. Em resposta, Maia afirmou que não vai atacar o presidente, mas sim "jogar flores". Atribuiu as críticas a uma tática de Bolsonaro de tentar mudar o assunto quando enfrenta noticiário negativo. Desta vez, segundo o presidente da Câmara, a estratégia seria para tirar o foco da demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde, em plena crise da pandemia do coronavírus.

No Palácio do Planalto, os ataques do presidente a Maia foram encarados como um desabafo após o parlamentar ter feito críticas ao Executivo nos últimos dias, embora auxiliares de Bolsonaro ressalvem que o momento não era o ideal. As declarações ocorreram logo após o anúncio do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, que substitui Mandetta no cargo.

Em nota conjunta, as cúpulas da Câmara e do Senado relataram temor de que a demissão prejudique o combate ao novo coronavírus no País.

No Planalto, a possível derrubada a MP Verde e Amarelo é vista não apenas como uma resposta aos ataques feitos ontem ao presidente da Câmara. Seria também uma resposta à insatisfação dos dois com a saída de Mandetta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.