Antonio Cruz / Agência Brasil
Antonio Cruz / Agência Brasil

Bolsonaro diz que sabia que sofreria com perseguições e ataques na presidência

O presidente da República participou neste sábado, 8, do evento evangélico The Send Brasil

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2020 | 19h32

BRASÍLIA - A uma plateia de evangélicos, o presidente da República, Jair Bolsonaro, disse neste sábado, dia 8, que sua trajetória no governo federal é marcada por "ataques, perseguições e incompreensões".

"Sabia que não ia ser fácil. Perseguições teriam, ataques, interesses pessoais, incompreensões, lutas por poder, mas sabia, acima de tudo, que teria sempre o povo ao nosso lado", afirmou o presidente, convidado para subir ao palco do evento The Send Brasil.

Bolsonaro afirmou que houve uma mudança no País com sua eleição e que o governo agora respeita os valores familiares e "é temente a Deus". Ele disse que, a partir de sua posse no Palácio do Planalto, "palavras proibidas" - Deus, família e pátria - "começaram a se tornar comuns".

"Temos um governo que respeita os valores familiares. Temos um governo que deve lealdade a seu povo e, acima de tudo, que é temente a Deus. O Estado pode ser laico, mas Jair Bolsonaro é cristão."

Após a queixa e o aceno aos evangélicos, Bolsonaro pediu mais apoio ao público protestante presente no Estádio Nacional Mané Garrincha e agradeceu os votos recebidos nas eleições de 2018 - o segmento religioso foi um de seus pilares na campanha.

"Vocês decidiram, vocês foram ponto de inflexão há dois anos, decidindo mudar o destino do Brasil", afirmou. "Chegamos lá, mas não basta. Uma andorinha só não faz verão, mas todo verão começa com uma andorinha. O verão de 2018 será cada vez mais forte. Passamos a acreditar nas instituições e na maneira séria e honesta de fazer política. Vocês são os responsáveis por isso".

O presidente emocionou-se no palco e, sem citar o episódio da facada que levou em Juiz de Fora (MG) durante a campanha eleitoral de 2018, creditou a Deus o motivo de estar vivo.

"Se eu não sei como estou aqui, algo muito, mas muito importante, me conforta: Deus sabe. Nada fazemos se não for por ele. Ninguém esperava que uma pessoa da minha origem, da minha atividade política conseguiria vencer o verdadeiro mecanismo, mais conhecido como establishment", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaroigreja evangélica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.