DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Bolsonaro diz que pode voltar 'à normalidade' dependendo de resultado de novo exame de covid-19

Em live transmitida no Facebook, o presidente disse que nesta quarta-feira sai o resultado de um novo teste

Marlla Sabino e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2020 | 20h59

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira, 21, que fez mais um exame para covid-19 e que o resultado deve sair amanhã. A apoiadores, no Palácio da Alvorada, o presidente disse que, caso o teste dê negativo, ele poderá voltar “à normalidade” e fará uma viagem para o Piauí nesta sexta-feira, 24. 

"Fiz exame agora. Amanhã cedo sai o resultado. Se Deus quiser vai dar negativo, aí a gente volta à normalidade aí. A próxima viagem na sexta-feira para o Piauí", afirmou o presidente a populares, em live transmitida no perfil do presidente no Facebook.

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, também há previsão de que o presidente faça uma viagem para a Bahia. Ainda não está confirmado se as duas vão ocorrer esta semana. No Piauí, o chefe do Executivo deve visitar o Parque Nacional da Serra da Capivara. Também existe a possibilidade de ele participar da entrega de uma adutora do Ministério do Desenvolvimento Regional em Campo Alegre de Lourdes (BA).

O presidente anunciou em 7 de julho que testou positivo para covid-19. Desde então, Bolsonaro está em isolamento no Palácio da Alvorada, residência oficial da presidência, de onde despacha por videoconferência com ministros e autoridades.

Dois ministros informaram nesta semana que receberam diagnóstico positivo para a covid-19: Onyx Lorenzoni (Cidadania) e Milton Ribeiro (Educação). 

Após Bolsonaro afirmar ter sido diagnosticado com a covid-19, ao menos treze ministros que se encontraram com o presidente também fizeram exames

Paulo Guedes (Economia), Luiz Eduardo Ramos (Secretária de Governo), Braga Netto (Casa Civil), Levi Mello (AGU), Marcelo Alvaro Antonio (Turismo), Ricardo Salles (Meio Ambiente), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Roberto Campos Neto (Banco Central) realizaram testes rápidos, que deram negativo.

Os dados mais recentes da Secretaria-Geral da Presidência, de 10 de julho, indicam 128 casos de coronavírus no Planalto, onde trabalham 3.400 pessoas. No balanço anterior, com informações de 3 de julho, eram 108 infectados. Ou seja, no intervalo de uma semana foram confirmados mais 20 casos da doença, uma média de quase três novos por dia.

Segundo dados do consórcio de imprensa divulgados nesta terça-feira, o  número total de mortos no País em virtude da pandemia chegou a 81.597. Mais de 2,1 milhões de brasileiros já foram infectados pelo novo coronavírus, conforme levantamento realizado pelo Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL junto às secretarias estaduais de Saúde.

O Brasil é a segunda nação do mundo com maior número de casos e mortes por covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, que possuem 3,8 milhões de infecções confirmadas e 141 mil óbitos, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.