Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Após dizer na ONU ter acabado com a corrupção, Bolsonaro admite 'problemas em alguns ministérios'

Ao celebrar 1000 dias de governo, presidente alega que Forças Armadas não cumpririam 'ordens absurdas' e que situação econômica do País ainda pode piorar

Eduardo Gayer, Marcelo Mota e Roberta Vassallo, Especial para o Estadão

27 de setembro de 2021 | 14h23
Atualizado 27 de setembro de 2021 | 18h20

Com o governo bombardeado por denúncias de irregularidades, envolvendo, principalmente, as compras de vacinas contra a covid-19, o presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta segunda-feira, 27, que a corrupção não acabou em seu governo. "Eliminou-se a corrupção? Obviamente que não. Podem acontecer problemas em alguns ministérios? Podem, mas não será da vontade nossa", afirmou o presidente durante evento da Caixa Econômica Federal que marca o início das celebrações dos mil dias de mandato.

A declaração destoa do que afirmou o próprio Bolsonaro na abertura da 76ª Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), na última terça-feira. Na ocasião, em discurso acompanhado por líderes mundiais, o chefe do Executivo chegou a dizer que o Brasil estava há dois anos e oito meses "sem qualquer caso concreto de corrupção" - o que, aliás, o Estadão demonstrou estar entre várias mentiras e alegações falsas do presidente na fala em Nova York.

"Nós vamos buscar maneiras de, obviamente, apurar o caso (de corrupção) e tomar providências cabíveis com outros poderes sobre aquele possível ato irregular. Mas diminuiu muito a corrupção no Brasil, muito", declarou Bolsonaro nesta segunda-feira.

Há ao menos dois casos de suspeita de corrupção em investigação no governo federal. Em maio, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão que envolveram o então ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o presidente do Ibama, Eduardo Fortunato Bim, e a cúpula do órgão ambiental por suspeitas de corrupção e favorecimento no contrabando de produtos ambientais. A suspeita é que os agentes públicos atuaram de forma a fragilizar a fiscalização e para permitir contrabando de madeira extraída de forma ilegal.

O Ministério Público Federal e a PF também investigam suspeitas de corrupção no contrato do Ministério da Saúde para comprar a vacina indiana Covaxin, com intermediação da empresa Precisa Medicamentos. O País pagaria US$ 1,6 bilhão por 20 milhões de doses – US$ 15 por unidade, o maior valor entre todas as vacinas. A Covaxin nem sequer tem autorização da Anvisa para aplicação. O contrato foi suspenso pelo próprio governo após a revelação das suspeitas de corrupção.

A PF abriu inquérito em julho para saber se o presidente cometeu prevaricação - quando um agente público deixa de cumprir com suas obrigações - após ser informado de suspeitas envolvendo o contrato pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF) e seu irmão, Luis Ricardo, funcionário do Ministério da Saúde. Na ocasião, segundo o parlamentar, o presidente disse que iria pedir uma investigação sobre o caso, mas não levou a denúncia aos órgãos de investigação.

"As pressões no passado eram enormes, em governos anteriores. Hoje existem (pressões)? Existem, mas bem menores", acrescentou, dizendo, ainda, em tom positivo, que há hoje um ministério "cada vez mais casando com o Legislativo". O presidente não esclareceu, contudo, a qual pasta se referia e também ignorou as dificuldades do Executivo na articulação com o Congresso.

A bandeira do combate à corrupção foi um dos pilares da campanha do atual presidente nas eleições de 2018. Em seu primeiro discurso na ONU após ser eleito, em 2019, Bolsonaro chegou a citar que a presença do ex-juiz da Lava Jato Sérgio Moro, seu então ministro da Justiça, era a garantia de que seu governo priorizaria o tema. Moro, porém, foi demitido e acusou o presidente de tentar influenciar na Polícia Federal para favorecer seus filhos.

Forças Armadas

Em seu discurso, nesta segunda-feira, o presidente também destacou que as Forças Armadas não cumpririam ordens absurdas. "Se eu der ordens absurdas, vão cumprir? Não. Nem a mim, nem a governo nenhum. As Forças Armadas têm de ser tratadas com respeito", disse o chefe do Executivo.

O presidente não citou nenhum fato específico da atuação dos militares em seu governo, mas já foi acusado no tentar fazer uso político das Forças Armadas, a exemplo do desfile de blindados que cruzou a capital federal no mesmo dia em que a Câmara se preparava para votar (e rejeitar) a adoção do voto impresso. A declaração de Bolsonaro nesta segunda remete a este e outros episódios em que a disposição das Forças Armadas embarcarem numa eventual ruptura democrática foi questionada. Como revelou o Estadão/Broadcast, ainda em julho, o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, mandou recado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), por meio de um interlocutor, de que não haveria eleições em 2022 sem o voto impresso. A proposta acabou rejeitada em agosto.

Ainda durante o discurso desta segunda-feira, Bolsonaro voltou a dizer que não gostaria de ver a gasolina e o dólar nos níveis atuais, mas ressaltou que não resolve tudo sozinho e que o cenário ainda pode piorar. "Alguém acha que eu não queria gasolina a R$ 4 ou menos? O dólar a R$ 4,50 ou menos? Não é maldade da nossa parte, é a realidade", afirmou Bolsonaro. "Tem um ditado que diz 'nada está tão ruim que não possa piorar'. Não queremos isso."

Passaporte da vacina

Bolsonaro voltou a questionar medidas como o passaporte da vacina contra a covid-19 em seu discurso, apelou a uma retórica de defesa da liberdade para criticar a exigência do imunizante e negou ser contrário à vacina. "Se estivesse contra, não teria assinado a medida provisória de dezembro do ano passado destinando R$ 20 bilhões para comprar vacina. Mas nós respeitamos a liberdade. Por mais que me acusam de atos antidemocráticos, são apenas acusações, ninguém mais do que eu respeita o direito de todos. A vacina não pode ser obrigatória", afirmou. 

Durante a viagem para participar do evento da ONU na semana passada, Bolsonaro foi o único líder nacional entre as 20 maiores economias do mundo que não tomou a vacina contra covid-19 e quebrou a regra da organização comparecendo presencialmente ao evento sem estar imunizado. O presidente também protagonizou episódios como o em que a comitiva brasileira comeu pizza na calçada e fez refeição na área externa de uma churrascaria para escapar do passaporte vacinal de Nova York. Na cidade, a comprovação de vacinação é obrigatória para a entrada em diversos estabelecimentos, como restaurantes.

O chefe do Planalto ainda citou os casos da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, do advogado-Geral da União, Bruno Bianco, e de seu filho Eduardo Bolsonaro, que testaram positivo para covid-19 na última semana, para reforçar o discurso que coloca em dúvida a importância e eficácia das vacinas contra a doença. "Ainda é uma grande incógnita isso aí", disse.

Brevemente, defendeu o uso de medicamentos, sem especificar quais, para tratar a doença, ao mencionar o caso do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que contraiu covid-19 durante a viagem aos Estados Unidos em que acompanhou o presidente. Desde 2020, Bolsonaro defende remédios sem eficácia comprovada contra a covid-19, como a ivermectina e a hidroxicloroquina. 

"Falei a ele [Queiroga] o seguinte: você vai seguir o protocolo do Mandetta e esperar sentir falta de ar para procurar um médico ou vai partir para um medicamento ou outro qualquer agora?", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.