Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro deixa Alvorada mais cedo e divulga vídeo comemorando boa mira no tiro ao alvo

'Dez tiros. O pior foi (pontuação) oito. Tá bom, né? Depois de 30 anos inativo', escreveu o presidente nas redes sociais

Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2020 | 10h31

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro "driblou" apoiadores e imprensa na manhã desta terça-feira, 28, e foi praticar tiro ao alvo. Após deixar o Palácio da Alvorada por volta das 7h35, mais cedo do que o habitual, o presidente postou em suas redes sociais um vídeo em que aparece ao lado de um alvo perfurado por balas e comemora seu desempenho com a mira.

"Dez tiros. O pior foi (pontuação) oito. Tá bom, né? Depois de 30 anos inativo", diz o presidente na postagem, em que aparece de camisa, gravata, caneta no bolso e um protetor de ouvido usado em treinamentos de tiro. "Bom dia a todos", escreveu junto à imagem.

O enquadramento do vídeo não permite saber se Bolsonaro estava com uma arma na mão. O presidente deixou o Exército em 1988, após ser alvo de um processo interno por ter publicado artigo na revista Veja em que reclamava do baixo salário dos militares. Na época que foi para a reserva, como capitão reformado, Bolsonaro já havia sido eleito para seu primeiro cargo como político, de vereador do Rio de Janeiro.

Até a publicação nas redes sociais, feita às 9h30, a Secretaria Especial de Comunicação da Presidência (Secom) não sabia informar o paradeiro do presidente. Questionada, também não soube dizer onde as imagens foram gravadas.

A visita ao local em que treinou tiro ao alvo não estava prevista na agenda do presidente, que deixou a residência oficial mais cedo que o habitual. O primeiro compromisso de Bolsonaro no dia é uma reunião no Palácio do Planalto com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o secretário especial de Desestatização e Desinvestimento, Salim Mattar. De tarde, Bolsonaro recebe a cúpula de ministros no Planalto para reunião do Conselho de Governo.

Nem mesmo os apoiadores que alimentam o canal de YouTube "Cafezinho com Pimenta" conseguiram registrar a saída do presidente do Alvorada nesta terça. Diariamente, o grupo transmite ao vivo as conversas de Bolsonaro com a claque que costuma aguardá-lo na entrada da residência oficial.

A "fuga" do presidente para praticar tiro ao alvo ocorre após um dia de decisões importantes na Justiça que afetam o governo. Ontem, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello autorizou a abertura de um inquérito para investigar as declarações do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro contra o presidente Jair Bolsonaro. A decisão atende ao pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras.

O inquérito deve apurar se foram cometidos os crimes de falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de Justiça, corrupção passiva privilegiada, denunciação caluniosa e crime contra a honra.

O pedido de investigação ocorreu após a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça, na última sexta-feira (24). No pronunciamento em que anunciou sua demissão, ele acusou Bolsonaro de tentar interferir politicamente no comando da Polícia Federal para obter acesso a informações sigilosas e relatórios de inteligência. O presidente negou no mesmo dia as acusações.

Além disso, também ontem o Estado conseguiu na Justiça Federal o direito de obter os testes de covid-19 feitos pelo presidente. Por decisão da juíza Ana Lúcia Petri Betto, foi dado a União prazo de 48 horas para fornecer “os laudos de todos os exames” feitos pelo presidente para identificar a infecção ou não pelo novo coronavírus.

Bolsonaro fez o exame para o vírus duas vezes em março, após voltar de missão oficial nos Estados Unidos, onde se encontrou com o presidente Donald Trump. Nas duas ocasiões, o chefe do Executivo informou, via redes sociais, que testou negativo para a doença, mas não exibiu cópia dos resultados. Pelo menos 23 pessoas que acompanharam o presidente brasileiro na viagem aos Estados Unidos, incluindo auxiliares próximos, foram diagnosticadas posteriormente com a doença. 

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.