Leonardo Prado/PGR
Leonardo Prado/PGR

Bolsonaro condecora Weintraub e Aras com Ordem de Mérito Naval

Ministro da Educação é alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal, a pedido da PGR; procurador-geral vai decidir se denuncia presidente em investigação sobre interferência na Polícia Federal

Marlla Sabino, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2020 | 11h50

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro decidiu condecorar com uma das maiores honrarias militares o procurador-geral  da República, Augusto Aras, que o investiga no Supremo Tribunal Federal (STF). Na lista de homenageados também está outro alvo de inquérito, o ministro da Educação, Abraham Weintraub Os dois receberão a Ordem do Mérito Naval, no grau de Grande Oficial, o mais alto da honraria.  Cabe a Aras decidir se denuncia o presidente e seu auxiliar. Na lista de homenageados também estão os ministros Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) e Jorge Oliveira (Secretaria de Governo).

Weintraub é alvo de um inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido da PGR, por suposto crime de preconceito em publicação contra a China nas redes sociais. O ministro também terá que prestar esclarecimentos à Polícia Federal por causa das declarações sobre a Corte na reunião ministerial do dia 22 de abril. 

Nesta quinta-feira, o presidente deu mais uma demonstração de sua proximidade com Ara ao afirmar que cogita indicá-lo para uma cadeira no Supremo. "Se aparecer uma terceira vaga, espero que ninguém ali (no Supremo) desapareça, para o Supremo, o nome de Augusto Aras entra fortemente", disse o presidente durante uma transmissão ao vivo nesta quinta-feira, 28. Para Bolsonaro, o procurador-geral tem uma "atuação excepcional".

Até o fim de seu atual mandato, Bolsonaro poderá fazer duas indicações à Corte, para vagas abertas com as aposentadorias dos ministros Celso de Mello, ainda neste ano, e Marco Aurélio Mello, em 2021. Caso seja reeleito para mais quatro anos de mandato, mais duas vagas poderão ser abertas no STF.

O aceno de Bolsonaro acontece no momento em que Aras decidirá se denuncia o presidente no âmbito do inquérito que tramita na Suprema Corte e investiga se o chefe do Executivo interferiu na Polícia Federal para proteger família e amigos. 

Em outra ação relacionada ao governo, o procurador-geral da República mudou de opinião e pediu ao ministro Edson Fachin, do STF, a suspensão do inquérito que investiga a disseminação de fake news nas redes sociais. O pedido aconteceu após a Polícia Federal ter realizado operação de busca e apreensão contra apoiadores do governo.

Os nomes das autoridades condecoradas com a Ordem do Mérito Naval foram publicados na edição desta sexta-feira, 29, do Diário Oficial da União. Pelo decreto, assinado por Bolsonaro e o ministro da Defesa, Fernando Azevedo,  também serão homenageados representantes de embaixadas, o ministro do Tribunal Superior do Trabalho e parlamentares da base do governo no Congresso. Entre eles, os deputados federais Hélio Lopes (PSL-RJ) e Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP). 

A Ordem de Mérito Naval foi criada em 1934 pelo então presidente Getúlio Vargas. A homenagem é destinada a militares da Marinha e, excepcionalmente, corporações militares, instituições civis e personalidades civis e militares que tenham prestados serviços relevantes à Marinha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.