Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Lula, vacina e leite condensado: veja os termos mais buscados sobre Bolsonaro no Google em 2021

Covid, impeachment e STF também figuram entre as principais pesquisas sobre o presidente; veja o ranking

Levy Teles, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2022 | 09h28

O nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi a palavra-chave mais pesquisada no Google, ao longo de 2021, associada às buscas sobre o presidente Jair Bolsonaro (PL). Os dados são de levantamento elaborado pela  plataforma a pedido do Estadão

Temas relacionados à pandemia aparecem duas vezes: “Bolsonaro vacina”, em segundo lugar, e “Bolsonaro covid”, em quarto. Na lista dos dez temas mais buscados, destacam-se também "leite condensado", que virou até meme após a revelação do volume de compra do alimento pelas Forças Armadas. Confira:

  1. Lula Bolsonaro
  2. Bolsonaro vacina
  3. Governo Bolsonaro
  4. Bolsonaro covid
  5. Impeachment Bolsonaro
  6. Bolsonaro 2022 
  7. Bolsonaro leite condensado
  8. Fora Bolsonaro
  9. STF Bolsonaro
  10. Bolsonaro notícias

Lula

Maior adversário de Bolsonaro no campo político,  ironicamente integra o termo mais buscado em relação ao presidente. O atual chefe do Planalto, que foi eleito com postura intensamente antipetista, inclui críticas ao ex-presidente em grande parte de seus discursos. O líder petista e o mandatário aparecem em primeiro e segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto para a Presidência, respectivamente, e devem se enfrentar na corrida pelo Executivo este ano. Pesquisa Ipec publicada em dezembro mostra que Lula tinha 48% das intenções de voto para presidente naquele mês, ante 21% de Bolsonaro.

Pandemia

Considerado um tema sensível à gestão Bolsonaro, tendo inspirado inclusive uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) contra o presidente, a pandemia aparece duas vezes entre os termos mais buscados no Google sobre o mandatário. Seu nome é acompanhado de “vacina” no 2º termo mais pesquisado e de covid no 4º. Ao longo do ano passado, o presidente criticou e atrasou a aquisição de imunizantes, assim como medidas de prevenção ao vírus, como o lockdown, e atacou a CPI da Covid, que o acusou de nove crimes na pandemia em seu relatório final, apresentado ao procurador-geral da República Augusto Aras em outubro.

Impeachment

Bolsonaro é alvo de mais de 140 pedidos de impeachment, mas até agora nenhum deles foi analisado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL). Um dos mais recentes foi protocolado pelo ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior, um dos autores da ação que levou ao afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2016. O impedimento foi o quinto termo mais pesquisado no Google em relação ao presidente. Na oitava posição está “fora Bolsonaro”, frase que mobilizou atos da oposição pelo Brasil contra o presidente. A última grande mobilização nacional foi no dia 2 de outubro.

Leite condensado

A alta procura sobre leite condensado em pesquisas sobre Bolsonaro foi motivada por reportagem do portal Metrópoles, de janeiro do ano passado, que mostrou que o Executivo gastou R$ 1,8 bilhão em itens de alimentação, sendo R$ 15,6 milhões em leite condensado — o valor se refere a compras empenhadas em 2019 e pagas em 2020. Como revelou o Estadão Verifica, postagens enganosas no Facebook e no Twitter dão a entender que este último valor foi gasto apenas pelo presidente Jair Bolsonaro e sua família. 

STF

Nono tema mais procurado, o Supremo Tribunal Federal (STF) foi alvo constante de ataques do presidente Jair Bolsonaro e de militantes bolsonaristas ao longo de 2021. Os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso foram os mais mencionados pelo presidente e seus apoiadores. Bolsonaristas planejaram uma paralisação nacional dos caminhoneiros nos atos do dia 7 de Setembro. Pedidos inconstitucionais, como o fechamento do STF, estavam em pauta. Um dos organizadores do ato, o caminhoneiro Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, foi preso por determinação do Supremo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.