Alan Santos/Presidência da República
Alan Santos/Presidência da República

Bebianno diz que demissão de general Santa Rosa foi 'desrespeito' ao Exército

Saída do general da Secretaria de Assuntos Estratégicos, vinculada à Secretaria-Geral da Presidência, foi motivada por descontentamentos na relação com o atual ministro da pasta, Jorge Oliveira

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2019 | 12h31

BRASÍLIA - O ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gustavo Bebianno criticou o tratamento dado ao general Maynard Santa Rosa no governo. O militar comunicou sua demissão da Secretaria de Assuntos Estratégicos, órgão ligado à Secretaria-Geral, na segunda-feira, 4. Ele estava no cargo desde o início do ano.

“Recebi a notícia (da demissão) com indignação. Considero uma falta de respeito com as Forças Armadas. O general Santa Rosa não é um general qualquer. Ele é considerado uma unanimidade e o presidente sequer falou com ele. Considero uma falta de respeito com o Exército”, afirmou Bebianno, em entrevista ao Estado. Entre os militares, contudo, a saída não foi vista como retaliação ou afastamento do governo das Forças Armadas.

Santa Rosa era o último secretário nomeado por Bebianno, primeiro ministro a perder o posto na Esplanada, ainda em fevereiro. Segundo apurou o Estado, a saída do secretário foi motivada por descontentamentos na relação com o atual ministro da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira. Logo que assumiu o cargo, em junho, Oliveira afastou a secretária de Modernização do Estado, Márcia Amorim, também nomeada por Bebianno.

Para o ex-ministro, a demissão de Santa Rosa é “uma perda irreparável ao governo, pela sua capacidade de tocar a área estratégica”. “Isso deixa evidente que os interesses do Palácio do Planalto e do núcleo duro do governo estão longe de serem os mesmos interesses do Brasil", afirmou, completando que, com o afastamento do general, “a burocracia, a mediocridade e o apadrinhamento saíram favorecidos”.

Questionado quem seriam os apadrinhados e quem os apadrinhariam, o ex-ministro Bebianno preferiu não mencionar nomes. "Até por uma questão ética. Mas o que chega ao meu conhecimento, à distância, e não sei até que ponto é procedente ou não, é que o pessoal do MDB e estariam ocupando diversos espaços ali na Secretaria-Geral da Presidência.”

Após deixar o governo e o PSL, Bebianno se filiou ao PSDB e se aproximou do governador de São Paulo, o tucano João Doria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.