Associação de prefeitos do Mato Grosso quer afastamento do governador Pedro Taques

Associação de prefeitos do Mato Grosso quer afastamento do governador Pedro Taques

Chefes municipais reclamam de falta de repasses do Estado para a Saúde

Fátima Lessa, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2017 | 15h44

CUIABÁ – O presidente da Associação Mato-Grossense dos Municípios, Neurilan Fraga, defende o afastamento do governador do Estado, Pedro Taques (PSDB), do comando do executivo por atrasos nos repasses da Saúde. A situação é “recorrente desde o início da administração”, afirma Fraga. Em entrevista coletiva nesta quarta-feira, 8, ele disse que já foram esgotadas todas “as possibilidades de diálogo para que o governo repassasse os recursos que estão em aberto e não vemos outro caminho”. Em relação à saúde básica, ele diz que o atraso chega a cerca de R$150 milhões. 

+++ Mato Grosso busca R$ 1,5 bilhão com concessão de rodovias

Nesta terça-feira, 7, prefeitos de pelo menos cinco municípios realizaram protesto contra a falta de repasses para que as unidades normalizem os atendimentos nos setores de urgência e emergência. Na próxima sexta, a associação voltará a se reunir para definir se entra com a representação na Assembleia Legislativa local. 

+++ Cabo da PM diz que coronel mandou grampear políticos do Mato Grosso

No mês passado, representantes de entidades e lideranças políticas bloquearam a BR-163 para forçar o governo estadual a resolver o problema financeiro dos Hospitais Regionais: Sinop, Sorriso e Colíder. O hospital regional de Sinop, um dos maiores municípios do Estado, reduziu atendimento. A Fundação de Saúde Comunitária, que administra a unidade, alega que tem R$ 8,8 milhões para receber do Estado. A manifestação foi organizada pelo Consórcio de Saúde do Vale do Teles Pires e contou com prefeitos, vice-prefeitos e vereadores dos municípios de Marcelândia, União do Sul, Tabaporã, Sorriso e Sinop. 

+++ Ministro nega liberdade a ex-secretário de Taques

O hospital municipal de Confresa, a 1.160 km de Cuiabá, cancelou as cirurgias eletivas, que representam 70% dos procedimentos feitos na unidade, por falta de recursos. O município não recebe repasse do Estado desde julho.

Outro lado. O governador Pedro Taques está viajando. O secretário de Estado de Comunicação, Kleber Lima, declarou que um possível pedido de afastamento do governador Pedro Taques (PSDB) “possui viés político”. Além disso, acrescentou que, se “atraso em pagamentos por parte do poder público gerar afastamento, dificilmente ficará um prefeito no cargo”.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.