Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Às vésperas da eleição no Congresso, DEM adota 'postura de neutralidade'

Mudança se dá após uma série de pressões do governo de Jair Bolsonaro para obter maioria em favor de Arthur Lira

Vinícius Valfré e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2021 | 22h16

BRASÍLIA - A bancada do DEM decidiu na noite deste domingo, 31, adotar uma postura de neutralidade na eleição da Câmara, marcada para esta segunda-feira, 1º. Com isso, o partido não fará parte do bloco de apoio ao candidato Baleia Rossi (MDB-SP), para onde líderes da sigla sinalizavam, até então.

Ao Estadão, o presidente nacional do DEM, o ex-prefeito de Salvador ACM Neto, afirmou que a postura era a única que "preservava a unidade" do partido. "Por unanimidade, (a decisão é) não integrar nenhum dos dois blocos", afirmou.

A mudança se dá após uma série de pressões do governo de Jair Bolsonaro para obter maioria em favor do candidato Arthur Lira (Progressistas-AL).

Além de bilhões em recursos extras para governistas e dissidentes, como mostrou o Estadão, o governo escalou os ministros Onyx Lorenzoni e Tereza Cristina para as articulações.

Ambos são deputados do DEM e voltam à Câmara nesta segunda-feira, 1º, para votar a favor do preferido do Palácio do Planalto. Eles vinham participando de reuniões fechadas para influenciar na mudança.

Entre os 31 deputados do DEM, uma parte, liderada por Elmar Nascimento (BA), trabalhou para transferir o partido para o bloco de Arthur Lira.

Para Entender

Veja o placar da eleição para presidente da Câmara dos Deputados

Baleia Rossi, candidato de Rodrigo Maia, e Arthur Lira, apoiado por Bolsonaro, lideram corrida pela presidência da Casa; siga distribuição de votos por deputado, partidos e Estados

Internamente, a troca era interpretada como uma profunda derrota a Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual presidente da Câmara. Crítico do governo Bolsonaro, ele é o principal fiador da candidatura de Baleia Rossi.

"Temos 22 votos em Arthur Lira, mas o partido não integrará o bloco com Baleia Rossi. O partido abre mão de ter espaço importante na Mesa. O partido vai votar em Arthur Lira, mas não integramos o bloco", disse Pedro Lupion (PR).

Sem estar formalmente em um bloco ou outro, o DEM perde a chance de ocupar uma vaga na Mesa Diretora. A divisão se dá pelo critério da proporcionalidade dos partidos dos blocos.

A neutralidade, na reunião deste domingo foi defendida pelo presidente nacional do DEM, o ex-prefeito de Salvador ACM Neto. Elmar Nascimento acompanhou a orientação e foi acompanhado pela maioria. Maia não participou da reunião.

A decisão do partido é um importante revés para a campanha de Baleia Rossi. Ele é apoiado por uma Frente Ampla, com partidos de campos ideológicos distintos. O movimento é inédito desde a redemocratização e abre caminho de diálogo entre opositores de Bolsonaro para a sucessão de 2022.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.