Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

As críticas de Alexandre Frota que irritaram Bolsonaro e o PSL

Partido oficializou a expulsão do deputado na manhã desta terça-feira, 13, após ele ter criticado indicação de Eduardo Bolsonaro à Embaixada dos EUA e acusado o governo de fazer 'velha política'

João Ker, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2019 | 12h59

O Partido Social Liberal (PSL) oficializou na manhã desta terça-feira, 13, a expulsão do deputado Alexandre Frota da sigla. A decisão já havia sido adiantada pelo Estado, após o parlamentar ter publicado duras críticas contra decisões e políticas do governo Jair Bolsonaro, ao qual ele se aliou em março de 2018. O pedido para que ele fosse expulso da sigla partiu da deputada Carla Zambelli e foi subscrito pelos também deputados Caroline di Toni (SC), Bia Kicis (DF) e por Luiz Philippe de Orleans e Bragança (SP). O senador Major Olímpio (SP) também cobrou o afastamento definitivo do deputado.

Frota, que se absteve de votar o segundo turno da reforma da Previdência e classificou a indicação de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada dos EUA como "velha política", tem se desentendido com o PSL desde que teve suas indicações para a Ancine negadas pelo partido. Abaixo, relembre algumas de suas declarações mais críticas à sigla e ao governo de Bolsonaro:

"Exemplo do que há de mais velho na política"

No início de agosto, Alexandre Frota assinou uma carta aberta a Bolsonaro, na qual critica ampla e abertamente a indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada dos EUA. O deputado afirmou que o filho do presidente não era qualificado o suficiente para o cargo e classificou a nomeação como um "mimo". "A diplomacia nesse nível pressupõe notórios conhecimentos de política internacional, amplos relacionamentos e, sobretudo, profundas habilidades de negociação. Eduardo nada tem de diplomático, haja vista ter aventado até mesmo o fechamento do STF por ‘um cabo e um soldado", escreveu Frota. 

 "Temos que ficar limpando as cagadas do governo"

Em abril, Frota publicou uma série de mensagens em sua conta oficial no Twitter, afirmando que o PSL já havia sido ameaçado pelo governo e atacando o guru ideológico de Bolsonaro, Olavo de Carvalho. "O PSL é dividido entre a tropa de choque, os olavos amestrados e os coisas. Querem saber quando vamos nos entender? Todos os dias temos que ficar limpando as cagadas do governo e aí temos que ouvir um monte de merda que não é culpa nossa", escreveu.

Mais críticas a Eduardo Bolsonaro

A indicação de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada dos EUA não foi o único episódio estrelado pelo filho do presidente e criticado por Frota. Ele também declarou publicamente que se opunha à indicação do colega para o comando do PSL em São Paulo, aderindo ao grupo que apoiava a escolha de Joice Hasselmann para essa função. “Estou aguardando há dez dias os documentos de prestações de conta do diretório estadual e até agora não me enviaram”, afirmou o deputado. Na mesma semana, ele publicou em suas redes sociais uma matéria especial do Estado sobre os seis meses do caso Queiroz. 

“Só duas vezes tivemos paz: quando o Twitter ficou fora do ar e quando o Bolsonaro tirou o dente”

No final de julho, depois de já ter criticado algumas falas do presidente em seu Twitter, o deputado expressou mais uma vez a sua indignação com o comportamento de Jair Bolsonaro, afirmando que os aliados do governo só tiveram paz em dois momentos, desde a posse: "quando o Twitter ficou fora do ar e quando Bolsonaro tirou o dente". A declaração foi dada em entrevista à Folha.

"Para governar precisa contar com os deputados"

Frota foi um dos principais articuladores e estrategistas do PSL durante o primeiro turno de votações da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. Na época, ele criticou a falta de empenho do presidente em aprovar o texto, ao não estabelecer uma base de apoio maior no Congresso: “Bolsonaro precisa agora entender que para governar precisa contar com os deputados, não é o Olavo de Carvalho que vota a Previdência, ele não é deputado”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.