Adriano Machado/ Reuters
Adriano Machado/ Reuters

Vice de Bolsonaro, Mourão diz que reforma da Previdência será prioridade

'Vamos ter de aproveitar esse começo, a lua de mel, para pregar pregos', afirmou o general

Tânia Monteiro/ Brasília, O Estado de S. Paulo

28 Outubro 2018 | 12h40

Em entrevista após votar em uma escola no Setor Militar Urbano, em Brasília, o candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão (PRTB), disse que caso vença as eleições o ajuste da economia será prioridade e, para isso, a reforma da Previdência "já seria um grande passo". 

"É uma decisão que será tomada pelo presidente Bolsonaro. A minha avaliação é de que a que está no Congresso hoje já seria um grande passo. Eu tenho uma visão muito clara. O ótimo é inimigo do bom. Se nós temos algo bom, a gente toca esse avião mais pra frente porque ele vai cair no nosso colo. E mais pra frente a gente consegue reajustar de uma forma melhor", afirmou o candidato, em referência à proposta enviada pelo governo Michel Temer. Mourão disse que o ideal é aproveitar o início do governo para tentar aprovar a reforma. "Nós vamos ter de aproveitar esse começo, a lua de mel, para pregar pregos", disse o militar, que depois brincou: "Lua de mel de pobre é curta".

O general afirmou ainda que a reforma da Previdência para militares também está prevista, com aumento do tempo de serviço e início de contribuição para as pensionistas. 

Outro tema que, segundo Mourão, também deve ter prioridade em um eventual governo Bolsonaro é a questão da segurança.  O general pediu "uma oposição construtiva e não oposição pela oposição" e também "pacificação no País" após as eleições, se eles ganharem. "Vamos manter o Brasil unido, com opiniões diferentes", comentou ele, citando que "a gente tem de respeitar as opiniões e é obvio que a eleição vai dizer que uma opinião é majoritária". 

Mourão diz guardar mágoa de episódio em que foi chamado de torturador

Para o general, "uma disputa eleitoral não pode se tornar uma briga de facções". "Fui alvo de baixaria", desabafou, referindo-se ao episódio em que foi chamado de torturador por Fernando Haddad (PT). Questionado se guardava mágoa do caso, respondeu que sim, "porque não atingiu a mim, atingiu minha família". O candidato a vice contou que seus netos foram abordados na escola deles pelos colegas peguntando se o avô era torturador.

Mourão votou em uma escola em Brasília, em uma área militar, e chegou acompanhado por familiares, sem qualquer segurança. Tirou muitas selfies e brincou que nos últimos meses o assédio tem sido grande. Ele gastou apenas dez segundos no registro do voto, mas dedicou atenção a todos que queriam cumprimentá-lo.

O general negou acreditar que a chapa chegará a 60% dos votos e disse que uma possível vitória de Bolsonaro não seria a volta dos militares ao poder. "O momento é totalmente diferente. Já tivemos presidentes oriundos do meio militar na nossa história. Então eu acho que simplesmente nós estamos sendo chamados pela população para cumprir a missão que ela acha que temos", declarou ele, insistindo que ele e Bolsonaro "não são militares, são dois cidadãos brasileiros que foram militares".

Mourão explicou que "se atrapalhou" ao dizer que, se eleito, queria trabalhar em uma sala ao lado do presidente da República, no terceiro andar no Planalto, e não no anexo, onde fica o gabinete do vice-presidente. "Afinal das contas, ali, eu me atrapalhei. De vez em quando, eu me atrapalhei. Vou ficar onde eu tenho de ficar mesmo." O general afirmou que retornará ao Rio de Janeiro às 15h30 e seguirá direto para a casa de Bolsonaro para acompanhar a apuração das urnas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.