Rodger Timm/Ascom PSDB
Rodger Timm/Ascom PSDB

Tucano Eduardo Leite declara apoio a Jair Bolsonaro no segundo turno

Tucano falou em “exclusão de um caminho” ao se referir ao PT e disse estar disposto a conversar com Bolsonaro

Filipe Stazzer, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2018 | 23h28

PORTO ALEGRE -  Depois de terminar o 1º turno na frente para a disputa do governo gaúcho, com 35,89%, Eduardo Leite declarou, em coletiva, seu apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno das eleições 2018. O tucano falou em “exclusão de um caminho” ao se referir ao PT e disse estar disposto a conversar com Bolsonaro “por um desejo de contribuição ao Brasil”. No primeiro turno, o candidato do PSDB gaúcho apoiou Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência.

Leite afirmou que a escolha por Bolsonaro se dá “por não haver hipótese” de apoiar o PT numa “eleição plebiscitária” no segundo turno. “(O PT) foi um caminho que quebrou o Brasil, gerou desemprego. Um governo que prejudicou o País e o condenou a viver um período de recessão, que piorou a vida dos brasileiros”, disse o tucano. “Por essa exclusão, estamos dispostos a construir com a candidatura de Jair Bolsonaro”, completou o candidato.

Sobre posições polêmicas do presidenciável, o candidato gaúcho se defendeu. “(O apoio) não significa adesão a todas as suas ideias, não vou arredar o pé do que acredito”, disse Leite, se referindo ao seu apoio a políticas para mulheres e de inclusão.

Sobre a votação, Leite afirmou que a população deu recado “claro” às urnas. “Foi expressado um sentimento, a população não quer mais a política que aí está. Ela quer não só novas pessoas, mas novas atitudes”, disse, indicando que a estratégia da “novidade” adotada no primeiro turno continuará a ser usada até o dia 28 de outubro.

Leite saiu de 8% no primeiro levantamento Ibope do dia 17 de agosto, para a liderança no primeiro turno das eleições 2018, com 35,89% dos votos. O atual governador, José Ivo Sartori (MDB), registrou 31,12% e será o adversário de Leite.

O tucano também afirmou que irá diminuir a burocracia no Estado para atrair investimentos e reduzirá a alíquota do ICMS no Estado. Leite também se comprometeu a pagar em dia o salário do funcionalismo já no primeiro ano de governo e disse querer “um Rio Grande do Sul menos refém do ajuste das contas”.

Eduardo Leite deve se reunir com integrantes do PSDB ainda nesta semana, em Brasília, para afinar a estratégia para o segundo turno. Caso eleito, o candidato de 33 anos, que foi prefeito de Pelotas entre 2013-2016, será o governador mais jovem do RS desde a redemocratização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.