Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Treinamento contra 'marinês' muda Marina no debate

Candidata à Presidência pela Rede tem optado por um discurso mais simples, direto e assertivo para mudar a imagem das últimas eleições

Marianna Holanda, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2018 | 14h45

A candidata à Presidência Marina Silva (Rede) vem passando por um treinamento com seus coordenadores de campanha e de comunicação para tornar seu discurso mais simples e assertivo e abandonar, de vez, o “marinês”. O resultado do treinamento foi comemorado anteontem, ao fim do debate entre os presidenciáveis promovido pela Rede TV! em São Paulo, no qual a ex-ministra foi a protagonista de um embate com o candidato do PSL ao Planalto, Jair Bolsonaro, sobre mulheres.

“Ela só reagiu, foi instinto e intuição. Mas acho que ela foi mais assertiva, sim, e vai ficar melhor cada dia”, afirmou ao Estado a coordenadora de campanha da candidata da Rede, Andrea Gouvea, após o debate.

Questionada sobre a mudança de tom, usualmente mais moderado, Marina negou se tratar de uma estratégia de campanha. “Foi ele (Bolsonaro) que me escolheu fazendo pergunta, porque geralmente existem aqueles que gostam de subestimar as mulheres”, disse a candidata da Rede, depois do encontro com adversários. Quando começou o debate, Marina já se posicionou ao dizer que era mulher, mãe e negra. 

No debate, a candidata questionou Bolsonaro: “Você disse que a questão dos salários melhores para as mulheres é uma coisa que não precisa se preocupar porque já está na CLT. É uma questão que tem que se preocupar, sim, porque quando se é Presidente da República tem que fazer cumprir o artigo 5.º da Constituição Federal, que diz que nenhuma mulher deve ser discriminada. E não fazer vista grossa dizendo que não precisa se preocupar”, disse. Marina chegou a ser aplaudida duas vezes no estúdio quando respondeu a Bolsonaro, que enfrenta resistência entre o eleitorado feminino.

O desempenho da ex-ministra foi elogiado por outros presidenciáveis. Ainda durante o debate, o candidato do PSOL, Guilherme Boulos, disse a ela: “Quero parabenizar você, Marina, por ter colocado Bolsonaro no seu lugar.” Já Henrique Meirelles (MDB) acenou à candidata no Twitter. Com emojis de aplausos, o presidenciável afirmou que “ele (Bolsonaro) nem leu o próprio programa."

Depois de uma participação considerada “tímida” no primeiro debate entre os presidenciáveis, promovido pela Band na semana passada, a campanha da candidata ao Planalto pela Rede ficou satisfeita com o comportamento de Marina no segundo confronto.

Vice de Geraldo Alckmin PSDB), a senadora Ana Amélia (PP) elogiou neste sábado, 18, Marina, afirmando que o embate “foi o ponto alto” da noite. “Ela foi muito corajosa e fez na hora certa. Soube aproveitar, não buscou um subterfúgio e foi em cima do ponto, na questão de a mulher ter hoje uma inferioridade salarial em relação ao homem”, disse. “Na política, é preciso ter senso de oportunidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.