RENATA ARMELIN
RENATA ARMELIN

Diante de pedido de expulsão, Marta pede desfiliação do SD; partido oficializa apoio a França

Ex-governador criticou oponentes do PSDB, MDB e DEM que, segundo ele, teriam feito divisão de poder pensando em 2022

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2020 | 12h47
Atualizado 13 de setembro de 2020 | 23h53

A convenção do Solidariedade oficializou na manhã deste domingo, dia 13, a coligação com o ex-governador Márcio França, candidato do PSB à Prefeitura de São Paulo. Além de França, estavam presentes no ato, realizado na sede municipal do partido, o presidente do diretório paulistano do Solidariedade, Pedro Nepomuceno; o deputado Paulo Pereira da Silva, conhecido como Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, e Antônio Neto, presidente municipal do PDT e vice na chapa de França.

O candidato do PDT à Presidência da República em 2018, Ciro Gomes, e o ex-ministro Aldo Rebelo participaram por videoconferência, assim como todos os convencionais. O evento foi transmitido pela redes sociais. No período da tarde, a ex-prefeita Marta Suplicy anunciou seu pedido de desfiliação do Solidariedade. Mais cedo, autoridades partidárias afirmaram a possibilidade de expulsão da ex-aliada.

"Lá no PSDB, eles já decidiram como vai ficar (a divisão de poder). A Prefeitura vai ficar com o MDB, o governo do Estado via ficar com o DEM e a presidência vai ficar com o Doria", afirmou Márcio. "E quem concorda com isso deve votar 45", acrescentou, citando o número de urna do PSDB, partido do atual prefeito Bruno Covas, seu oponente que buscará a reeleição.

A fala de França é uma crítica à possibilidade do governador João Doria (PSDB), seu inimigo político, renunciar ao cargo antes do final do mandato para disputar a Presidência da República em 2022 e deixar o comando do Poder Executivo estadual nas mãos do vice, Rodrigo Garcia (DEM). A fala também faz referência a possibilidade de Bruno Covas, uma vez reeleito, renunciar ao cargo de prefeito para integrar a eventual chapa de reeleição de Garcia no Estado, em 2022, deixando a Prefeitura com o vice de sua composição atual, Ricardo Nunes (MDB).

A convenção do Solidariedade ainda confirmou a candidatura de 83 candidatos a vereador pela agremiação, o máximo permitido por partido em São Paulo.

Marta Suplicy

A ex-prefeita Marta Suplicy anunciou o seu pedido de desfiliação do Solidariedade, dirigido a Paulinho e a Nepomuceno na tarde deste domingo. Antes, o presidente municipal da agremiação havia afirmado que a sigla iria avaliar a situação de Marta, que está filiada desde abril mas que escolheu apoiar a reeleição do atual prefeito, Bruno Covas. Uma das possibilidades seria expulsão da legenda. “Logo após o pronunciamento dela na convenção tucana (realizada neste sábado, dia 11), o Conselho de Ética (do Solidariedade) recebeu de alguns filiados um pedido de expulsão dela”, afirmou. “Acho que ainda está no calor (do momento), mas vamos reunir a direção nacional ao longo da semana para discutir uma possível expulsão dela”, disse, ainda no período da manhã.

Perguntado sobre o pedido de desfiliação, Nepomuceno disse que, por enquanto, só recebeu uma mensagem de whatsapp enviada pelo marido da ex-prefeita, Marcio Toledo, e afirma que a filiada terá que formalizar um documento no diretório.

“Eu lamento porque ela vai na direção do centrão. O PP do Ciro Nougueira, o MDB do Baleia Rossi, e o DEM do Rodrigo Garcia – esses partidos que estão na coligação do Bruno Covas são exatamente os partidos que dão sustentação ao governo Bolsonaro. Então ela defende uma frente ampla contra o bolsonarismo, mas na prática não é isso. É meio contraditório”, disse.

Quando Marta se filiou ao Solidariedade, em abril, havia a expectativa de que ela pudesse tornar-se vice em uma eventual chapa petista encabeçada pelo ex-prefeito Fernando Haddad, criando uma frente de esquerda. O petista, no entanto, se recusou a disputar e o pré-candidato Jilmar Tatto, de quem Marta não queria ser vice, venceu as prévias do PT e foi confirmado candidato nas convenções petistas neste sábado. 

Marta então iniciou uma negociação com o PSDB para ser vice de Covas. A agremiação, no entanto, descartou a possibilidade da ex-prefeita ingressar na chapa do tucano e, com isso, o Solidariedade ficou tentando convencê-la a se lançar candidata até a semana passada. Ela e o seu atual partido romperam na quarta-feira depois que ex-prefeita não compareceu a almoço com Paulinho da Força e Nepomuceno.

Neste sábado, durante sua participação na convenção do PSDB que oficializou a candidatura à reeleição de Covas, Marta, que já foi opositora dos tucanos, afirmou que o País está vivendo “um retrocesso civilizatório” e pregou a necessidade de união “frente ao mal maior”.

"Comunico meu requerimento aos senhores, bem como ao juízo eleitoral competente, da minha desfiliação deste partido, em caráter irrevogável e irretratável, por motivos políticos que já se tornaram públicos e amplamente divulgados", afirmou o cominucado da ex-prefeita enviado a Paulinho e Nepomuceno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.