Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Skaf elogia Temer e Meirelles e admite ter pedido dinheiro para Marcelo Odebrecht em 2014

Pré-candidato do MDB ao governo paulista negou ter conhecimento de jantar delatado por executivos da Odebrecht com Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco onde supostamente teria sido combinado um repasse de R$ 10 milhões para sua campanha

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2018 | 12h13

SÃO PAULO - O presidente licenciado da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) Paulo Skaf, pré-candidato do MDB ao governo de São Paulo, disse nesta sexta-feira, 8, que seu candidato para as eleições de 2018 é o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, tentando afastar a possibilidade de apoio ao deputado Jair Bolsonaro (PSL).

O Estado mostrou na quinta-feira que eles iniciaram uma aproximação em São Paulo. Skaf afirmou, ainda, que apesar da má avaliação, o presidente Michel Temer fez reformas importantes e necessárias para o País, e negou ter sido beneficiado por recursos indevidos da Odebrecht. 

+ Jair Bolsonaro e Paulo Skaf se aproximam em São Paulo

"Meirelles está se apresentando como o candidato para retomar o crescimento no País". Skaf, no entanto, ressaltou ter respeito aos outros candidatos, como Jair Bolsonaro (PSL). Questionado sobre o depoimento prestado à Polícia Federal em março sobre um jantar em Brasília em que Michel Temer, os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco teriam pedido repasses de R$ 10 milhões para campanhas eleitorais do MDB em 2014, Skaf negou. 

"Nunca soube desse jantar. Não fui convidado, descobri pela imprensa", afirmou. A declaração foi dada em sabatina do UOL, Folha de S. Paulo e SBT. "Todas as minhas contas foram aprovadas pelo TRE, sem ressalvas. O meu caso não tem nada a ver com esse jantar", disse. 

Skaf afirmou que chegou a pedir repasses para Marcelo Odebrecht, mas também para outros doadores. Segundo ele, foram mais de 500. "A Odebrecht fez doação de 200 mil reais por uma empresa do grupo e eu recebi. Tudo isso está declarado oficialmente", reforçou. Sobre a atual campanha, o empresário disse que não pretende usar recursos próprios. 

+ Pesquisa Ibope: Doria lidera disputa pelo governo de São Paulo

Perguntado sobre a possibilidade de abandonar a disputa pelo governo estadual, descartou as possibilidades de ser candidato para outro cargo em 2018.  

Questionado sobre o aumento no teto de gastos para funcionários públicos em São Paulo, que deve ter impacto de R$ 1 bilhão em quatro anos, se disse contrário. "Se tiver folga financeira, tem que pagar melhor professor, policial, e não aumentar o teto", disse. 

Paulo Skaf tenta pela terceira vez ser governador de São Paulo. Em 2010, foi vencido por Geraldo Alckmin (PSDB) e nem chegou ao segundo turno. Já em 2014 ficou em segundo lugar, quando Alckmin venceu novamente.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.