Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Seria palhaçada, não fosse tragédia

Demanda há, mas as lideranças políticas são incapazes de oferecer o produto terceira via

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2022 | 03h00

As pesquisas que aproximam Jair Bolsonaro de Lula dispararam um senso de urgência na esburacada terceira via e a pressa é inimiga da perfeição. Os caras amanhecem candidatos, deixam de ser com o sol quente e voltam a ser ao entardecer; estão num partido num dia, em outro no dia seguinte e sabe-se lá onde no terceiro dia. Fazem que vão, mas não vão a lugar nenhum.

Na estratégia da terceira via, a vaga de Lula no segundo turno era líquida e certa e a saída era desbancar Bolsonaro, que perdia fôlego entre empresários, militares e multidões que votaram nele contra o PT e deram com os burros n’água. A coisa não evoluiu bem assim.

Lula tem base sólida, mas bateu no teto e daí é mais fácil descer do que subir. Já Bolsonaro saiu do fundo do poço e recuperou condições de competitividade. O resultado é quase psicológico: quem está por cima e perde dois pontinhos passa a sensação de “fraqueza”, quem está por baixo e sobe dois pontinhos passa a de “força”. Eleição não é razão, é emoção.

O principal movimento de Lula foi usar o ex-tucano Geraldo Alckmin para abrir espaço e pretexto para partidos, líderes e eleitores do centro e da centro-direita, mas Bolsonaro foi além: desmanchou a percepção de que o Centrão pularia do seu barco na primeira gota d’água. O Centrão está mais firme com Bolsonaro do que o centro com Lula.

Começou com o grito de guerra de Ciro Nogueira (do PP e da Casa Civil) a favor do chefe e se consolidou na janela partidária: PL, PP e Republicanos fizeram a festa, acabaram com a alegria do União Brasil (DEM-PSL) e, assim, Bolsonaro tem a maior força política no Congresso.

Essa base reflete o enraizamento dele nos Estados, projeta boas condições de governabilidade em caso de reeleição e tem um efeito psicológico sobre políticos e eleitores. Ex-bolsonaristas e os que estão em cima do muro balançam a favor dele, os milhões que o rejeitam mergulham no desânimo e no pânico.

O PSDB desmorona como castelo de cartas, com João Doria e Eduardo Leite inviabilizando um ao outro; a onda Sérgio Moro morreu na praia; o Podemos já não pode nada; o União Brasil às turras já na lua de mel de DEM e PSL; o MDB apoia Simone Tebet em “on”, mas em “off”... O Cidadania? Tenta colar os cacos. Seria uma palhaçada, não fosse uma tragédia.

Os adversários deveriam ser Bolsonaro e Lula, nessa ordem, mas o centro gasta tempo, dinheiro e saliva falando uma coisa, fazendo outra: da boca para fora, união; na realidade, a mais patética desunião. Há uma desesperada demanda pela terceira via no eleitorado, mas as lideranças políticas são incapazes de oferecer o produto.

COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.