Fabio Pozzebom/Agência Brasil
Fabio Pozzebom/Agência Brasil

Segundo turno nas eleições 2020: entenda quando e onde acontece

Saiba quais são os critérios para que uma segunda votação aconteça no pleito para prefeito e vice-prefeito

Mílibi Arruda, especial para O Estado

30 de outubro de 2020 | 22h54
Atualizado 28 de novembro de 2020 | 03h04

O segundo turno, criado para garantir legitimidade ao representante eleito, vai acontecer em 57 cidades nas eleições 2020. Para escolher o prefeito de uma cidade, vale a eleição majoritária. Como outros líderes do Executivo - presidente e governadores - vence o pleito aquele que obtiver mais votos válidos. 

No entanto, diante do pleito geral, as eleições municipais guardam uma particularidade em relação aos critérios para existir segundo turno. No caso da corrida para presidente da República ou para governador de um Estado - ou do Distrito Federal - só é eleito em primeiro turno o candidato que atingir mais da metade dos votos apurados, sem contar os nulos e brancos. 

Para Entender

Como votar: saiba tudo sobre o dia da votação nas eleições 2020

No domingo, há algumas regras que devem ser cumpridas para o cidadão poder exercer o seu direito ao voto durante a pandemia

Em outras palavras, é necessário que o candidato atinja a maioria absoluta no primeiro turno. Se isso não ocorrer, acontece o segundo turno. Para prefeito, a regra da maioria absoluta só vale se o município tiver mais de 200 mil eleitores

Nas cidades com menos pessoas que possam votar, vale a maioria simples: ganha quem tiver mais votos válidos logo no primeiro turno.

Confira quando, por que e como ocorre o segundo turno nas eleições 2020:

Quando é o segundo turno nas eleições 2020?

Nas eleições 2020, o segundo turno está marcado para 29 de novembro em 57 cidades que terão a disputa. A data foi adiada neste ano devido à pandemia do novo coronavírus. O novo dia foi estipulado pela Emenda Constitucional nº 107/2020, aprovada em 2 de julho pelo Congresso Nacional.

O que precisa para ter segundo turno?

Somente municípios com mais de 200 mil eleitores podem ter segundo turno para prefeito. Isso é estipulado no inciso II do artigo 29 e no artigo 77 da Constituição de 1988. Em cidades com menor número de pessoas aptas a votar, o dirigente do Executivo é definido em turno único.

Nas eleições 2020, 57 cidades terão segundo turno. Quinze delas estão em São Paulo, que lidera a lista em número de municípios. O Nordeste é a região com mais capitais a ter essa etapa: são sete. Veja aqui se sua cidade terá segundo turno e quais são os candidatos na disputa.

Antes do primeiro turno, somente pelo critério de número de eleitores, 95 municípios estavam aptos a ter a segunda parte da votação.  Das 26 capitais, somente Palmas, no Tocantins, não cumpre o requisito.

Entre os outros municípios, a maioria fica nos Estados de São Paulo - são 28 -, seguido por Rio de Janeiro - com 10 - e Minas Gerais, com nove cidades. 

De 2016 para 2020, três nove municípios entraram para a lista: Ribeirão das Neves, em Minas Gerais, Paulista e Petrolina, ambas em Pernambuco.

Para Entender

Calendário Estadão

As datas, definições partidárias, candidaturas e a cobertura especial do jornal das campanhas pelo País e nos Estados Unidos

Como funciona o segundo turno?

Para prefeitos e vice-prefeitos de cidades com mais de 200 mil eleitores, vale a mesma regra das eleições para presidentes e governadores. Não basta que o candidato simplesmente obtenha mais votos que seus concorrentes.

São eleitos em primeiro turno somente aqueles que tiveram maioria absoluta, isto é, mais da metade dos votos apurados, sem contar brancos e nulos. Caso isso não ocorra, a disputa vai para o segundo turno, com os dois mais votados. Então, vence aquele que conseguir a maioria simples dos votos válidos.

Antes do segundo turno, caso ocorra morte, desistência ou impedimento legal de um candidato habilitado, o novo concorrente deve ser o mais votado entre os que restaram. 

Nos municípios com menos de 200 mil eleitores, o prefeito também é definido por eleição majoritária, mas com maioria simples, não absoluta. Isso significa que vence o candidato mais votado, sem precisar atingir mais da metade dos votos válidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.