Mauro Borges / Futura Press
Mauro Borges / Futura Press

Russomanno tira Bolsonaro de jingle e prioriza ataques a Doria

Candidato do Republicanos muda estratégia após cair e oscilar negativamente nas pesquisas

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2020 | 05h00

Após o deputado Celso Russomanno (Republicanos) cair e oscilar negativamente nas pesquisas de intenção de voto para a Prefeitura de São Paulo, suas propagandas do horário eleitoral deixaram de mencionar o presidente da República, Jair Bolsonaro. Os programas que foram ao ar no horário político segunda-feira, 26, e terça-feira, 27, não usaram nem trechos do jingle em que Bolsonaro era citado. Nas inserções, Russomanno critica o governador João Doria (PSDB) e o também tucano Bruno Covas, prefeito e principal oponente do parlamentar, segundo as pesquisas.

Na estreia da propaganda eleitoral gratuita de rádio e TV, no dia 9, o jingle do candidato citava Bolsonaro três vezes. “Com Russomanno e Bolsonaro, quem ganha é a nossa cidade”, dizia um trecho da música. Já no refrão, repetido duas vezes, constava o trecho “e Bolsonaro apoiando”. As propagandas mais recentes da música não trazem versos que citam o presidente. A mudança de abordagem ocorre após a publicação de pesquisa Datafolha que, no dia 22, mostrou que Russomanno caiu de 27% para 20%, enquanto Covas oscilou positivamente de 21% para 23%.

Além disso, em São Paulo, pesquisa Ibope/TV Globo/Estadão divulgada no dia 15 aponta que 48% classificam a gestão Bolsonaro como péssima ou ruim e 26% como ótima ou boa, o que também pode ter reflexo na transferência de votos. 

As novas propagandas de Russomanno também têm feito alusões ao fato de que Doria descumpriu uma promessa feita durante a campanha de 2016, segundo a qual iria terminar o mandato de prefeito. Como é Covas, então vice, quem está concluindo a gestão, o prefeito tucano é chamado nas peças de “BrunoDoria”. O apelido já era usado na campanha, mas ganhou mais ênfase.

Abaixo o vídeo sem menção a Bolsonaro e o jingle que citava o presidente: 




Ao Estadão, o marqueteiro Elsinho Mouco, responsável por toda a estratégia de campanha, afirmou que há, sim, mais artilharia direcionada a Covas, com quem Russomanno aparece empatado tecnicamente no Ibope e no Datafolha, dentro da margem de erro. “São críticas acima da linha cintura”, afirmou. “Estamos brincando com a campanha do Covas, que traz três palavras com a letra F. Adicionamos uma quarta: F de ‘foi-se’, sobre os empregos e a renda que já eram”, disse. Mouco negou que haja intenção de dar menos ênfase ao presidente nas peças e atribuiu isso a motivos circunstanciais. “O Bolsonaro vai continuar sendo citado”, disse.

A contratação de Mouco passou pelo aval de do ministro das Comunicações, Fábio Faria. O secretário executivo da pasta, Fabio Wajngarten, tem participado de reuniões da campanha. Veio de Wajngarten, inclusive, a sugestão de fazer uma associação total entre o candidato e Bolsonaro.

Ao participar da sabatina do Estadão, no dia 19, Russomanno disse, diversas vezes, que é “amigo” de Bolsonaro. Ainda assim, ele evitou dar uma resposta direta às perguntas sobre suspeitas contra a família do presidente e seu entorno, como o caso Queiroz. Nesta semana, o candidato já havia discordado ao dizer que não se oporia à compra da vacina contra o novo coronavírus que está sendo desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan.

Presidente do PSDB paulistano, Fernando Alfredo disse que Russomanno adotou essa estratégia porque “não tem o que mostrar para a cidade” e lembrou que o Republicanos fez parte da base de Covas na Prefeitura de São Paulo.

Funções

Elsinho Mouco agora concentra múltiplas atribuições relacionadas à campanha de Russomanno, inclusive a coordenação-geral, após a morte do presidente municipal do Republicanos, Marcos Alcântara, no domingo. Na pré-campanha, Alcântara era o responsável por elaborar pontos que depois vieram a constar no plano de governo, além de cuidar da articulação política e da comunicação. Alcântara ajudou a negociar com Russomanno a confirmação da candidatura e a montar a chapa de vereadores do partido. / COLABOROU PEDRO VENCESLAU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.