Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Russomanno diz que vacina para covid-19 deveria ser testada em quem já está doente

Afirmação do candidato à Prefeitura de São Paulo vai contra o propósito de produzir um imunizante, substância que previne que pessoas contraiam a doença, segundo especialistas

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2020 | 12h56
Atualizado 03 de novembro de 2020 | 21h47

O deputado federal Celso Russomanno (Republicanos), candidato à Prefeitura de São Paulo, disse na manhã desta terça-feira, dia 3, que a vacina contra o novo coronavírus deveria ser testada em quem já está está doente, além de ser testado em crianças e idosos. A afirmação foi dada durante evento na Associação Paulista de Imprensa.

"A vacina está sendo testada em adultos sãos, nenhum com covid. Não está sendo testada em crianças, não está sendo testada nos idosos e não está sendo testada nos doentes. São as etapas por onde uma vacina deve passar. Isso não está acontecendo", afirmou. "Os efeitos colaterais imediatos a gente pode prever, mas os a longo prazo, não. Toda vacina tem que passar por esse processo. Eu quero muito, todos aqui querem uma vacina. Mas se ela é tão boa assim, mas se essa vacina é tão boa assim, vai lá, começa na China, aplicando nas pessoas", concluiu. 

A afirmação vai contra o propósito de produzir um imunizante, substância que previne que pessoas contraiam a doença, segundo especialistas."Isso mostra o absoluto desconhecimento de como funciona um ensaio clínico", afirmou ao Estadão o médico infectologista Jamal Suleiman, do Hospital Emílio Ribas, sobre a ideia de testar vacinas em pessoas que já têm a doença. De acordo com o especialista, os testes são sempre iniciados em adultos não idosos antes de passarem a incluir crianças e pessoas de idade. "Idosos vão perdendo a sua capacidade de resposta imunológica, um fenômeno conhecido há pelo menos um século", explicou Suleiman, sobre o motivo de testes em pessoas de idade ficarem para um segundo momento.

Para Entender

Quem é Celso Russomanno? Conheça o candidato do Republicanos à Prefeitura de São Paulo

Alinhado a Bolsonaro, deputado federal por seis mandatos ganhou notoriedade na TV por defender direito do consumidor e tenta, pela terceira vez, se eleger como prefeito da capital

Em seu discurso, Russomanno disse ser contra fazer com que a população de São Paulo "seja cobaia", linha adotada por apoiadores do presidente  Jair Bolsonaro, cabo eleitoral do candidato do Republicanos. "Eu não sou negacionista não, pelo contrário. Quero a vacina o mais rápido possível, agora não quero que a a população de São Paulo seja cobaia de nada", afirmou. 

Na segunda agenda do dia, na zona leste, o candidato disse estar "só reafirmando o que os especialistas estão falando".  Questionado sobre a resposta dada por Suleiman ao Estadão, afirmou: "Eu sou favorável a cumprir todas as etapas e quem vai determinar isso são os especialistas".

No mês passado, outra afirmação do candidato relacionado ao coronavírus causou polêmica. Russomanno sugeriu que a falta de banho deixa moradores de rua resistentes à covid-19.

Para Entender

Veja propostas de Celso Russomanno

Confira quais são os principais pontos do plano de governo do candidato do Republicanos para a Prefeitura de São Paulo nas áreas da Saúde, Educação, Emprego, Transporte, Segurança, Meio Ambiente e Habitação

Bolsonaro x Doria

O Estado de São Paulo é palco de uma polêmica sobre a vacina envolvendo Bolsonaro e seu rival político, o governador João Doria (PSDB), aliado do atual prefeito Bruno Covas (PSDB), que disputa a reeleição. A disputa entre ambos envolve o CoronaVac, imunizante desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan e que ainda deve solicitar registro análise de registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

No último dia 21, Bolsonaro afirmou, em entrevista à Rádio Jovem Pan, que não comprará a Coronavac mesmo se ela receber registro da Anvisa. O imunizante está na última etapa de testes clínicos no Brasil. Naquele mesmo dia, ele havia desautorizado o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e vetado a compra de 46 milhões de doses do produto pelo Ministério da Saúde.

De acordo com pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo divulgada na sexta-feira, 30, dois terços dos paulistanos discordam do veto do presidente.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.