Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Recife terá segundo turno entre os deputados federais João Campos e Marília Arraes

A última pesquisa do Ibope, divulgada na noite do sábado, 14, já indicava a probabilidade do segundo turno entre os dois candidatos

Pedro Jordão, Especial para o Estadão

16 de novembro de 2020 | 00h05

RECIFE - Os deputados federais João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT) vão ao segundo turno no Recife no próximo dia 29. De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), após 100% dos votos serem apurados na capital pernambucana, o candidato socialista teve 29,17% dos votos válidos e a petista teve 27,95%, uma diferença de pouco menos de dez mil votos entre um e outro. 

Mendonça Filho (DEM) ficou em terceiro lugar, com 25,11%. Delegada Patrícia (Podemos), candidata apoiada pelo presidente Jair Bolsonaro, ficou em quarto, com 14,06%. Recife teve 4,91% de votos brancos e 8,94% de votos nulos.

A última pesquisa do Ibope, divulgada na noite do sábado, 14, já indicava a probabilidade do segundo turno entre os dois candidatos, mas apontava 39% dos votos válidos para João Campos e 26%, para Marília Arraes.

"Esse resultado foi muito simbólico. Foi um recado para quem acha que o povo do Recife tem dono. A gente mostrou que quem manda no Recife é o povo do Recife. No segundo turno, a eleição será bem diferente. A primavera do Brasil para se livrar do obscurantismo que ameaça o povo vai começar aqui no Recife. O Recife está dando um recado para o Brasil que não aceita ser oprimido. Está mostrando que não quer ficar assim e não vai ficar”, afirmou Marília Arraes.

O PSB comanda a cidade do Recife há oito anos, sob a gestão do atual prefeito Geraldo Júlio. Antes dele, o PT comandou a capital pernambucana durante doze anos, nas gestões de João Paulo (que este ano disputou a prefeitura de Olinda pelo PCdoB, mas perdeu no 1.º turno para o Professor Lupércio, que se reelegeu pelo Solidariedade) e João da Costa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.