Gualter Naves/Agência Estado
Gualter Naves/Agência Estado

PSB em Minas contesta candidatura de Marcio Lacerda ao governo mineiro nas eleições 2018

Direção provisória alega que ex-prefeito não respeitou diretrizes do partido e entrou com pedido no TRE contra a coligação formada por sete siglas

Jonathas Cotrim , O Estado de S.Paulo

19 Agosto 2018 | 17h54

BELO HORIZONTE - A diretoria provisória do PSB em Minas Gerais entrou com uma impugnação da candidatura do ex-prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), ao governo do Estado nas eleições 2018No documento, registrado no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG), a direção afirma que ele não respeitou diretrizes da sigla.

“O PSB estava sendo conduzido em prol de um projeto individual, e não nacional, o que não se coaduna com a própria natureza do partido político. A subsistência do PSB em Minas Gerais estava em risco em prol de um projeto pessoal de Marcio Lacerda”, disse a diretoria na contestação. A ação se baseia na tentativa de anular convenção estadual da legenda, ocorrida no dia 4 de agosto.

O presidente interino do PSB em Minas Gerais, Renê Vilela (PSB), explicou que a aliança com o MDB, que vinha sendo negociada por Marcio Lacerda, foi um dos motivos para o diretório impugnar a candidatura do ex-prefeito. “É muito flagrante como um indivíduo vem tentando burlar as regras do partido. Ele está tentando construir uma narrativa de que é vítima, mas os partidos precisam se fortalecer no Brasil”, disse.  

Desde quarta-feira, 15, o TRE-MG tem dois pedidos de registro de candidaturas do PSB. Uma foi registrada pela direção estadual do partido, com os candidatos a deputado federal e estadual, na coligação do governador Fernando Pimentel (PT), que tenta a reeleição nas eleições 2018 junto com PCdoB, PR e DC. A outra foi registrada por Marcio Lacerda e forma uma coligação com MDB, PDT, PROS, PV, Podemos e PRB.

Na impugnação da direção estadual pessebista também consta a tentativa de anular a coligação formada por Lacerda, que tem o presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes (MDB) como vice e o deputado federal Jaime Martins (Pros) como candidato ao Senado.

“Fica clara a ausência de um dos principais requisitos ao respectivo registro, que é a regularidade dos atos partidários, decorrente de convenção partidária legítima e lícita, que não tenha sido anulada por órgão hierarquicamente superior”, diz o documento.

De acordo com a assessoria de imprensa de Marcio Lacerda, a comissão provisória do PSB em Minas Gerais foi rejeitada pelo TRE-MG porque "a dissolução da antiga diretoria foi uma atitude 'arbitrária, monocrática, ilegal e anacrônica'." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.