José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Quem é Jilmar Tatto? Conheça o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo

A candidatura do ex-secretário municipal de Transportes marca a primeira vez que a chapa petista a prefeito de SP não recebe apoio de outros partidos

Mílibi Arruda, especial para o Estado

13 de outubro de 2020 | 22h37

O ex-deputado federal Jilmar Tatto, de 55 anos, é o candidato do PT a prefeito de São Paulo nas eleições 2020. Atualmente secretário nacional de comunicações do partido, Tatto filiou-se à sigla em 1981, onde permanece desde então.

Seu primeiro cargo público eletivo foi como deputado estadual de São Paulo, de 1999 a 2003. Depois disso, ocupou quatro diferentes secretarias municipais durante a gestão de Marta Suplicy na capital paulista. Em 2007, iniciou seu mandato como deputado federal, posto para o qual foi reeleito na legislatura seguinte. 

No seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados, de 2007 a 2010, foi líder da bancada petista. Em 2013, quando Fernando Haddad foi eleito à Prefeitura de São Paulo, Tatto assumiu a Secretaria Municipal de Transportes, até o fim da gestão.

A atual candidatura marca a primeira vez que o PT concorre sem aliados ao Executivo paulistano. Desde a oficialização de seu nome, Tatto adota tom crítico em relação à gestão de Bruno Covas/João Doria (PSDB) na cidade. O economista e deputado federal Carlos Zarattini compõe a chapa como vice.

Na pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo divulgada em 2 de outubro, o petista aparece empatado com outros em quinto lugar, com apenas 1% das intenções de voto. Com o início do horário eleitoral na televisão e no rádio, em 9 de outubro, marqueteiros ouvidos pelo Estadão apontaram possível crescimento do candidato na disputa - principalmente entre o eleitor da periferia, que hoje declara voto em Celso Russomanno (Republicanos).

Até o momento, Covas e Russomanno têm liderado os levantamentos, enquanto a briga pelo voto útil da esquerda fica entre Guilherme Boulos (PSOL) e Márcio França (PSB). Os candidatos aparecem com 8% e 7% das intenções, respectivamente, na recente pesquisa Ibope.

Na campanha televisiva, o PT aposta no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para alavancar a candidatura. Apesar da alta rejeição, pesquisa Ibope mostra que o político tem maior capacidade de influenciar o eleitor que outros cabos eleitorais, como o presidente Jair Bolsonaro e Doria.

Biografia

Jilmar Tatto nasceu em 1965 em Corbélia, no interior do Paraná, filho dos pequenos agricultores Jácomo Tatto e Ignês Fontana Tatto. Jilmar é o nono de dez filhos e seus irmãos Arselino, Ênio, Jair e Nilto também são políticos.

Mudaram-se para São Paulo em 1978, especificamente para Capela do Socorro, bairro da zona sul que hoje é apelidado de “Tattolândia” devido à forte influência da família na política local.

Para Entender

Veja quem são os candidatos a prefeito de São Paulo nas eleições 2020

Conheça todos os nomes na corrida eleitoral pela Prefeitura de São Paulo, capital paulista

Na juventude, o candidato participava dos encontros das Comunidades Eclesiais de Base da Igreja Católica, além de ter feito parte da União Estadual de Estudantes (UEE/SP). 

Formou-se em História pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Moema e, em seguida, começou a trabalhar como professor. Também é mestre e, atualmente, doutorando pela Escola Politécnica da USP

Carreira política

Tatto entrou para política partidária em 1981, quando se filiou ao PT. Em 1995, aos 30 anos, foi eleito presidente do diretório municipal da sigla em São Paulo.

Ganhou sua primeira eleição em 1998, para deputado estadual na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Em 2001, quando Marta Suplicy - então filiada ao PT - assumiu a Prefeitura de São Paulo, Tatto assumiu a secretaria Municipal do Abastecimento (SEMAB).

Para Entender

Veja propostas de Jilmar Tatto

Confira quais são os principais pontos do plano de governo do candidato do PT para a Prefeitura de São Paulo nas áreas da Saúde, Educação, Emprego, Transporte, Segurança, Meio Ambiente e Habitação

Ainda na gestão de Marta, o candidato esteve à frente das secretarias de Implementação das Subprefeituras e de Transportes da cidade. No período em que comandou esta pasta, foi implementado o Bilhete Único. Em 2004, assumiu interinamente a Secretaria de Governo.

Foi eleito como deputado federal em 2006 e reeleito em 2010. No primeiro mandato, durante o segundo governo Lula, foi líder da bancada no PT. De 2013 a 2016, ocupou novamente a Secretaria Municipal de Transportes, sob a gestão do prefeito Fernando Haddad. Hoje, o candidato é secretário Nacional de Comunicação do PT.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.