Divulgação
Divulgação

Paulo Câmara anuncia que vai a ato de registro da candidatura de Lula

Governador, que é candidato à reeleição pelo PSB nas eleições 2018, pretende se ausentar do Estado em horário de expediente

Kleber Nunes, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2018 | 23h42

RECIFE – O governador de Pernambuco e candidato à reeleição nas eleições 2018, Paulo Câmara (PSB), anunciou que vai participar do ato de registro da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – condenado e preso na Operação Lava Jato – à Presidência, nesta quarta-feira, 15, em Brasília. O pessebista tem buscado vincular sua campanha ao petista, mesmo depois de ter liberado, em 2016, quatro secretários de sua gestão para reassumir os cargos na Câmara e votar pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

De acordo com nota divulgada pelo PT, o registro da candidatura de Lula e do candidato a vice, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, está marcado para às 16h no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Isso significa que Câmara vai se ausentar do Estado em horário de expediente para participar do ato político. Procurada pela reportagem, a assessoria do governador não comentou a ausência.

A formalização da inscrição de Lula será precedida por uma caminhada promovida por petistas e integrantes de movimentos sociais, que sairá do ginásio Nilson Nelson, no Eixo Monumental da capital federal.

Desde a pré-campanha à reeleição, Câmara tem incluído a defesa do ex-presidente em seus discursos. Entre críticas ao governo federal e menções aos legados dos ex-governadores Eduardo Campos e Miguel Arraes, o candidato à reeleição tem defendido “Lula livre”. Em alguns atos, militantes do partido tem usado a frase “Paulo é Lula. Lula é Paulo”.

Câmara foi um dos articuladores da neutralidade do partido para isolar o candidato do PDT à Presidência nas eleições 2018, Ciro Gomes, e garantir a retirada da candidatura da vereadora do Recife, Marília Arraes (PT) ao governo de Pernambuco. Quando o PSB se dividia entre o apoio a Ciro e o candidato do PT, ele chegou a afirmar que independente do posicionamento do partido em relação às eleições para presidente, faria campanha para Lula, que tem como principal força eleitoral os estados da região Nordeste.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.