Luiz Fernando Portella/Partido da Mulher Brasileira
Luiz Fernando Portella/Partido da Mulher Brasileira

Partido da Mulher Brasileira lança candidato ao governo gaúcho

PMB terá o administrador Luiz Fernando Portella como postulante ao Piratini; sigla 'não vê com estranheza' um homem como pré-candidato

Filipe Strazzer, O Estado de S.Paulo

12 Junho 2018 | 19h08

PORTO ALEGRE - Apesar do nome, o Partido da Mulher Brasileira (PMB) lançou nesta terça-feira, 12, um homem como pré-candidato ao governo do Rio Grande do Sul. O administrador de empresas Luiz Fernando Portella, de 37 anos, tentará concorrer pela primeira vez ao Palácio Piratini com bandeiras da igualdade entre homens e mulheres, o direito das minorias, a valorização dos policiais e a privatização de estatais.

+ PT, PCdoB e PSOL são deixados de fora de encontro de empresários gaúchos

Há apenas seis meses no partido, Luiz Fernando Portella, que já foi filiado ao extinto PL, disse que não se sente incomodado de ser o pré-candidato do PMB. “A pessoa não precisa ser deficiente física para lutar pela acessibilidade. Então, não há muito essa necessidade de ser uma mulher a candidata em função da sigla ser o Partido da Mulher Brasileira”, justificou Portella após questionamento do Estado.

A defesa da igualdade de gênero e oportunidades, disse, também pode ser feita por homens. Para compor a chapa como vice, o pré-candidato afirma que o partido está conversando com três mulheres.

+ Eleições 2018: conheça os nomes que podem ser candidatos a governador do RS

Perguntado sobre a pré-candidatura de um homem, o presidente estadual da sigla, Dieison Engroff, justificou na mesma linha. Segundo ele, não há a necessidade de ser mulher para lutar por direitos iguais. “Não vejo com nenhuma estranheza ter um homem como pré-candidato no PMB”, disse.

O PMB gaúcho, segundo o presidente, terá candidatos a deputado federal e estadual, além do governador, mas o números de candidaturas ainda não está fechado. “Teremos bem mais mulheres do que exige a cota (de 30%)”, afirmou Engroff. Ele também explicou que vai buscar alianças com “outros nanicos” para fechar uma coligação. Atualmente, o PMB gaúcho não possui representação. Não há prefeito, vereador ou deputado estadual da sigla no Estado.

+ PT gaúcho pode ter chapa pura ao governo após 16 anos

No Brasil, segundo o próprio partido, a sigla tem quatro deputados estaduais - sendo três mulheres - quatro prefeitos (duas mulheres); e 216 vereadores. Criado em 2008, e com registro no TSE apenas em 2015, o PMB chegou a ter mais de 20 deputados federais, transferidos de outros partidos. Hoje, porém, a sigla não conta com representação no Congresso. O último deputado federal do partido foi Weliton Prado (MG), que se desfiliou em 2017.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.