Tulio Kruse/Estadão
Tulio Kruse/Estadão

Orlando Silva registra ocorrência por ofensas racistas durante a campanha pela Prefeitura de SP

Candidato do PCdoB apresentou um documento na delegacia do 26º Distrito Policial, no Sacomã, em que lista mensagens feitas por ao menos seis contas diferentes

Tulio Kruse, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2020 | 13h08

O candidato pelo PCdoB à Prefeitura de São Paulo, Orlando Silva, registrou um boletim de ocorrência nesta terça-feira, 3, por ofensas racistas que recebeu durante a campanha eleitoral. Os ataques foram feitos em comentários nas redes sociais, que citam sua aparência e cor de pele. 

O candidato apresentou um documento na delegacia do 26º Distrito Policial, no Sacomã, em que lista mensagens com referências racistas, feitas por ao menos seis contas diferentes. “Volta para suas origens coisa feia dos infernos”, diz um dos comentários. O mesmo usuário fez outras ofensas, chamando o deputado de “canalha”, “mentiroso”, “safado”, “sem vergonha”, “ladrão” e “corrupto”.

Outra mensagem o chama de “porco ladrão, rico em melanina”, e um terceiro diz que ele tem “cara de bandido”. Uma internauta diz que o candidato é “negro de ‘alma branca’ com tudo de ruim”. 

“Queremos que tenha um efeito pedagógico, não é possível que as pessoas insistam em tratar a internet como terra sem lei. Não pode ser assim, racismo é crime”, disse o candidato, ao sair do 26º DP. 

Orlando passou cerca de uma hora na delegacia. A expectativa é que o B.O. seja encaminhado a uma delegacia especializada em crimes na internet. O candidato associou os ataques também a seu posicionamento político, de oposição ao governo federal. 

“A gente percebe que quando aumenta a temperatura da campanha, contra o (Jair) Bolsonaro inclusive, os ataques também aumentam”, ele disse.

Para Entender

Veja propostas de Orlando Silva

Confira quais são os principais pontos do plano de governo do candidato do PCdoB para a Prefeitura de São Paulo nas áreas da Saúde, Educação, Emprego, Transporte, Segurança, Meio Ambiente e Habitação

Ele pediu a abertura de uma investigação contra seis usuários pelo crime de injúria racial. A pena é de prisão por um a três anos, e multa. 

“Como homem negro e militante antirracista, os comentários acima me causaram profundo repúdio e indignação, motivo pelo qual levo os presentes fatos ao conhecimento da Autoridade Policial para que sejam tomadas as medidas investigativas pertinentes”, escreveu Orlando no termo de depoimento apresentado no DP. 

O candidato participa da sabatina no Estadão na tarde desta terça às 14h30. 

Para Entender

Quem é Orlando Silva? Conheça o candidato do PCdoB à Prefeitura de São Paulo

O deputado federal e ex-ministro do Esporte no governo Lula se junta a enfermeira em chapa pura para concorrer ao cargo de prefeito de SP

Coronavírus

O registro da ocorrência ocorre num momento em que Orlando foi forçado a diminuir as agendas presenciais. Dois coordenadores da campanha do PCdoB testaram positivo para o novo coronavírus durante o fim de semana. 

O candidato fez o teste durante o fim de semana e, segundo sua assessoria, o resultado foi negativo. Uma fotógrafa que acompanha a equipe ainda aguarda pra resultados. 

A denúncia por injúria está entre os casos em que a polícia orienta a registrar por meio de B.O. virtual, segundo um aviso na porta da delegacia, por causa da pandemia de coronavírus. A polícia tem dado preferência no atendimento presencial a casos de morte, desaparecimento, violência doméstica e contra crianças e adolescentes, estupro, sequestro, cárcere privado, roubo, extorsão e casos de flagrante. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.