EFE/Fernando Bizerra Jr.
EFE/Fernando Bizerra Jr.

'Não vamos recriar a CPMF e vamos isentar de IR quem ganha até 5 salários mínimos', diz Haddad

O candidato do PT ao Planalto classificou como um "pequeno desastre" a proposta do assessor econômico de Jair Bolsonaro (PSL), de unificar a alíquota do Imposto de Renda.

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2018 | 14h06

Candidato do PT ao Planalto nas eleições 2018 Fernando Haddad classificou como um "pequeno desastre" a proposta do assessor econômico do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), Paulo Guedes, de unificar a alíquota do Imposto de Renda. "É um pequeno desastre porque vai fazer o pobre, que já paga mais imposto que o rico, pagar ainda mais", comentou o petista.

Ele ainda prometeu não recriar a CPMF, como tentou a presidente cassada Dilma Rousseff. Paulo Guedes, por sua vez, defendeu adotar um imposto sobre movimentações financeiras semelhante ao tributo. "Não vamos recriar a CPMF e vamos isentar de Imposto de Renda quem ganha até cinco salários mínimos", reforçou Haddad.

Fazenda.

Ao falar sobre a definição de um perfil para o Ministério da Fazenda, Haddad disse que a escolha precisa ser de um nome "pragmático", e não um "economista figurão". "O meu (perfil)", brincou, ao falar que a ideia original era que ele fosse ministro da Fazenda do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Às vezes os economistas, esses figurões, são muito sectários, acham que são donos da verdade. Quando você está no governo, tem que ter jogo de cintura, pragmatismo, flexibilidade para buscar a solução", afirmou.

Questionado se o perfil seria o de um político para a Fazenda, Haddad respondeu: "Tem que saber buscar a solução." Quando provocado se indicaria Ciro Gomes (PDT) para o cargo, o petista não respondeu. Anteriormente, no entanto, falou que a definição da equipe é feita no segundo turno pensando em ganhar a eleição.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.